Governo e manifestantes avançam em acordo para saída da violenta crise na Colômbia

Governo e manifestantes avançam em acordo para saída da violenta crise na Colômbia

As partes dialogam em uma sede neutra em Bogotá

AFP

Em um mês de protestos, 59 pessoas morreram, segundo relatos da Defensoria e autoridades civis

publicidade

O governo e a principal frente de protesto na Colômbia, reunidos em Bogotá nesta terça-feira deram os primeiros passos para um acordo para apaziguar a convulsão social que deixa quase 60 mortos em um mês de manifestações contra o presidente Iván Duque.

Fábio Arias, um dos porta-vozes da Comissão Nacional de Paralisação, que reúne sindicalistas, estudantes e professores, destacou que "estão em andamento ações para suspender" os bloqueios de estradas que afetam especialmente o sudoeste do país.

O gesto foi celebrado pelo governo, que exige o levantamento dos bloqueios para iniciar uma eventual negociação: "O progresso que está sendo feito para o levantamento dos bloqueios é muito importante para os colombianos", disse o assessor presidencial Emilio Archila.

Delegados de Duque e do Comitê de Desemprego mantiveram várias rodadas de negociações desde 7 de maio, sem chegar a um acordo para iniciar as negociações. Embora seja o grupo mais visível, o Comitê não reúne todos os setores insatisfeitos com a gestão do impopular Duque, que enfrenta a revolta popular um ano antes das eleições das quais seu sucessor deve emergir. No entanto, um eventual acordo com a organização é visto como um passo em direção ao fim da crise.

"Os jovens de Cali disseram que as pessoas do Comitê de Desemprego não nos representam. Não nos rendemos e não paramos até que o incêndio apague", disse à W Radio Andrés Velásquez, líder do bloqueio na cidade de Cali, epicentro dos protestos, após ouvir o apelo de um dos porta-vozes da comissão.

O governo atribui aos bloqueios a morte de dois bebês que ficaram presos em ambulâncias e perdas econômicas milionárias. "Na primeira semana (de protestos) tínhamos 800 bloqueios, hoje restam 36", disse o ministro da Defesa, Diego Molano.

Civis armados

As partes dialogam em uma sede neutra em Bogotá, quando o país ainda processa o dia mais violento da crise, desencadeada pela já descartada ideia do governo de cobrar mais impostos de uma classe média empobrecida pela pandemia.

Na sexta-feira, enquanto milhares de pessoas comemoravam nas ruas o primeiro mês do levante popular, 13 pessoas morreram em Cali, a terceira cidade da Colômbia e uma das mais afetadas pelas mobilizações e bloqueios nas estradas.

Naquele dia houve confrontos que envolveram manifestantes, agentes uniformizados e civis armados, o que levantou a preocupação de que as forças paraestatais estejam ganhando destaque na volátil conjuntura.

Em um mês de protestos, 59 pessoas morreram, segundo relatos da Defensoria e autoridades civis. O Ministério Público afirma que 20 desses casos "estão diretamente relacionados às manifestações". A Alta Comissária da ONU para os Direitos Humanos, Michelle Bachelet, pediu uma investigação "independente" sobre os ataques que ceifaram vidas em Cali.

Como resultado do que houve na sexta-feira, Duque ordenou o envio de tropas para Cali e outras partes do país sob a figura de "assistência militar", que capacita o exército a apoiar as tarefas de vigilância da polícia, o que é fortemente questionado local e internacionalmente por causa do uso de força contra os manifestantes.

Garantias para protestar

Os jovens que estão nas ruas defendem um Estado mais solidário no enfrentamento ao desemprego, à evasão escolar e outros problemas causados pela pandemia, que avança de forma implacável, quebrando recordes diários de mortes e casos.

O governo e manifestantes entraram em confronto desde o início por causa da violência em torno do primeiro grande levante popular desde o acordo de paz de 2016, que levou ao desarmamento da extinta guerrilha das Farc, hoje partido político. 

Os manifestantes exigem uma condenação explícita da repressão policial e "garantias para o protesto", enquanto o presidente Duque quer que os bloqueios de estradas que causam escassez e afetaram atendimentos médicos sejam levantados. As forças sociais, que se opõem à militarização, também clamam por uma rejeição explícita dos excessos da polícia. 

"Não se pode continuar a assistir a vídeos nos quais a força pública atira nos manifestantes, nos quais civis atiram nos manifestantes", disse Francisco Maltés, líder sindical e porta-voz do comitê.


publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895