Irã adverte contra violação de suas 'linhas vermelhas' no Golfo

Irã adverte contra violação de suas 'linhas vermelhas' no Golfo

Porta-voz Said Khatibzadeh também destacou que seu país se defenderá contra qualquer "aventura" americana

AFP

Irã alertou nesta segunda-feira contra qualquer violação de suas "linhas vermelhas" de segurança

publicidade

O Irã alertou nesta segunda-feira (28) contra qualquer violação de suas "linhas vermelhas" de segurança no Golfo, durante entrevista coletiva on-line do porta-voz do Ministério das Relações Exteriores, após informes sobre o deslocamento de um submarino israelense em direção à região. O porta-voz Said Khatibzadeh também destacou que seu país se defenderá contra qualquer "aventura" americana durante os últimos dias do mandato do presidente Donald Trump.

Essas declarações foram dadas uma semana depois de a Marinha dos Estados Unidos anunciar que um submarino nuclear havia atravessado o Estreito de Ormuz, em uma nova demonstração de força contra o Irã.

A mídia israelense informou depois que um submarino de sua Marinha se encontrava em rota para o Golfo e já havia cruzado o Canal de Suez. Israel não confirmou, nem negou, esta informação. "Todo mundo sabe o significado do Golfo Pérsico para o Irã (...) e conhecem a política [de Teerã] no âmbito da segurança e da defesa nacional", disse Khatibzadeh na entrevista coletiva desta segunda-feira.

"Todos conhecem muito bem o quão alto é o risco de tentar cruzar as linhas vermelhas do Irã", acrescentou.

Israel é um inimigo ferrenho de Teerã, que o acusa de estar na origem de várias operações contra seu país. A mais recente delas teria sido o assassinato, no final de novembro, do importante físico nuclear Mohsen Fakhrizadeh.

No momento em que o Irã se prepara para relembrar o primeiro aniversário do assassinato do general Qassem Soleimani em um ataque de drones dos EUA em Bagdá no início de janeiro, Washington acusou o país, na semana passada, de estar envolvido em um ataque perto de sua embaixada no Iraque.

 


publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895