capa

Jornalista é assassinada no México após ameaças da polícia

Repórter publicou reportagem sobre suposto envolvimento de oficiais em casos de sequestro

Por
AFP

publicidade

A repórter Norma Sarabia foi assassinada na terça-feira à noite no estado de Tabasco, sudeste do México, e se tornou a sexta jornalista vitimada no país em 2019. O jornal Tabasco HOY, em que Norma trabalhou por mais de 15 anos, informou a morte da jornalista, assim como outros meios de comunicação locais.

Norma foi vítima de um ataque na localidade de Huimanguillo, onde morava e que fica a 65 km da capital do estado, Villahermosa. As primeiras informações indicam que Norma Sarabia foi atingida por vários tiros, disparados por dois homens que estavam em uma motocicleta, quando tentava entrar em casa. A repórter se dedicava à cobertura policial.

Em 2014 denunciou judicialmente os comandantes da polícia de Huimanguillo por ameaças depois que publicou informações que envolviam estes em supostos casos de sequestro, indicou o jornal Cambio, do estado de Puebla, em fevereiro. O México é um dos países mais violentos para o exercício do jornalismo, com mais de 100 profissionais assassinados desde 2000. De acordo com a organização Repórteres Sem Fronteira (RSF), com a morte de cinco jornalistas até o mês de maio o México era o país "mais letal no planeta para a imprensa em 2019".