Michelle Obama lamenta falta de empatia de Trump: "É o presidente errado para nosso país”

Michelle Obama lamenta falta de empatia de Trump: "É o presidente errado para nosso país”

Ex-primeira-dama dos Estados Unidos falou na primeira noite da convenção democrata

AFP e Correio do Povo

Apesar das críticas, ela citou o nome de Trump apenas uma vez

publicidade

A ex-primeira-dama dos Estados Unidos, Michelle Obama, lamentou nesta segunda-feira a "total falta de empatia" de Donald Trump na primeira noite da convenção democrata, alegando que ele é "o presidente errado" para os Estados Unidos e pedindo uma votação para Joe Biden em novembro. "Sempre que olhamos para essa Casa Branca em busca de liderança, conforto ou alguma aparência de estabilidade, o que obtemos é caos, divisão e uma total e absoluta falta de empatia", disse a esposa do ex-presidente Barack Obama.

Ela só usou o nome do atual chefe de Estado uma vez, quando disse: “Donald Trump é o presidente errado para nosso país”. Mas sua lista de críticas foi longa, citando o uso de "spray de pimenta e balas de borracha" em "manifestantes pacíficos", o apoio dos supremacistas brancos, o escário com que que recebe "declarações simples de que vidas negras importam”. Essas não são realmente questões de política no final, disse, mas" questões de "caráter".

“Se você tirar uma coisa das minhas palavras esta noite, é isso,” ela disse, com seriedade mortal. "Se você acha que as coisas não podem piorar, confie em mim, eles podem e irão se não fizermos uma mudança nesta eleição. Se temos alguma esperança de acabar com este caos, temos que votar em Joe Biden, nossas vidas dependem disso”. Parte do desafio para os democratas é mostrar às pessoas que não se importam muito com política o quão séria é uma crise que eles acham que a presidência de Trump representa.

Michelle é a pessoa mais indicada para defender esse caso. “Sou uma das poucas pessoas que vivem hoje que viram em primeira mão o imenso peso e o incrível poder da presidência”, disse ela no início de seu discurso. “O trabalho é difícil. Requer julgamento lúcido, domínio de questões complexas e concorrentes, devoção aos fatos e à história, bússola moral e capacidade de ouvir. E uma crença inabalável de que cada uma das 330 milhões de vidas neste país tem significado e valor. As palavras de um presidente têm o poder de mover os mercados. Eles podem iniciar guerras ou negociar a paz. Elas podem convocar nossos melhores anjos ou despertar nossos piores instintos. Você simplesmente não pode fingir neste trabalho”, falou.

Apesar disso, 16 anos depois de seu marido declarar na Convenção Democrata de 2004, em Boston, que não havia estados azuis nem estados vermelhos, ouvir ela disse abertamente "que minha mensagem não será ouvida por algumas pessoas" porque “vivemos em uma nação profundamente dividida, e sou uma mulher negra que fala na Convenção Democrata”. É a primeira vez que a esposa de um ex-presidente repudiou a observação central de seu marido sobre a política americana como desatualizada e incorreta.

Michelle eve colocar toda sua popularidade a serviço de Biden no início de uma semana de discursos em que os democratas apostam em projetar uma imagem de unidade contra Trump. O senador Bernie Sanders, principal expoente da esquerda americana, que apoia Biden depois de competir sem sucesso pela indicação democrata à presidência, pede união para "derrotar" Trump, segundo trechos revelados de seu discurso dessa noite. 


publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895