Oito crianças morrem em bombardeio israelense em Gaza

Oito crianças morrem em bombardeio israelense em Gaza

Dez pessoas de uma mesma família foram vítimas do ataque no campo de refugiados de Al-Shati

AFP

Prédio de três andares desabou após o bombardeio

publicidade

Dez pessoas de uma mesma família palestina, incluindo oito crianças, foram mortas neste sábado (15) em um bombardeio israelense na cidade de Gaza, informaram fontes médicas. O ataque atingiu a casa da família Abu Hatab, no campo de refugiados de Al-Shati. O prédio de três andares em que estavam desabou após o bombardeio.

A mãe e seus quatro filhos, com idades entre 5 e 15 anos, morreram, segundo fontes médicas palestinas. Quatro primos, com idades entre 8 e 14 anos, e sua mãe, que os visitavam por ocasião do Eid al-Fitr, que marca o fim do Ramadã, também morreram.

Os dois pais, Aala Abu Hattab e Mohamad Al Hadidi, que estavam do lado de fora do prédio, sobreviveram, assim como um bebê de cinco meses que foi hospitalizado.

As crianças "estavam seguras em casa, não carregavam armas, não disparavam foguetes", disse Mohammad Al Hadidi. "Usavam roupas novas para o Eid al-Fitr". O chefe do Hamas, Ismail Haniyeh, denunciou em um comunicado "um massacre hediondo no campo de Al-Shati".

Veja Também

O Exército israelense, por sua vez, anunciou que durante a noite realizou pelo menos cinco bombardeios em toda a Faixa de Gaza.  Entre os alvos, de acordo com um comunicado do Exército, estava um dos quartéis-generais de Taufik Abu Naim, comandante das forças de segurança do Hamas, bem como vários "locais usados para disparos de foguetes" no norte e sul do enclave, além de "edifícios da inteligência militar" do Hamas.

O último balanço fornecido pelas autoridades palestinas reporta 139 mortos, incluindo 39 crianças, e 1.000 feridos nos bombardeios que Israel realiza desde segunda-feira em Gaza.  Além disso, mais de 2.300 foguetes foram disparados de Gaza contra o território israelense, onde uma dúzia de pessoas morreram, incluindo uma criança e um soldado, e 560 pessoas ficaram feridas.


publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895