Polícia encurrala manifestantes em ponte e prende 200 em Nova Iorque

Polícia encurrala manifestantes em ponte e prende 200 em Nova Iorque

Protestos contra a morte de George Floyd entram na oitava noite e desafiam toques de recolher em diversas cidades dos Estados Unidos

R7

Polícia encurrala manifestantes em ponte e prende 200 em Nova Iorque

publicidade

Os protestos contra o racismo, a morte de George Floyd e a violência policial contra pessoas negras em Nova Iorque terminaram com 200 presos e policiais encurralando manifestantes em ponte de Manhattan nesta terça-feira (2). Ao contrário das noites anteriores, os protestos na cidade foram em grande parte pacíficos, com apenas alguns registros de saques.

A polícia de Nova Iorque encurralou os manifestantes em uma ponte que liga a região do Brooklyn a Manhattan. Segundo a CNN, os manifestantes se separaram de um grupo maior que estava no Brooklyn durante todo o dia e tentaram seguir para Manhattan. Mas, ao entrar no ponte, o grupo se deparou com policiais, que fecharam a saída e o impediram de voltar de onde vieram.

Os manifestantes entoaram a frase “deixe nos passar” e, após momentos de tensão, os policiais permitiram que eles voltassem para o Brooklyn. No Bronx, policiais reprimiram o protesto de um grupo de jovens que desrespeitou o toque de recolher, estipulado a partir das 20h (horário local). Os policiais mandaram que os manifestantes deixassem as ruas e prendeu aqueles que não obedeceram a ordem.

Nessa terça-feira, o governador do Estado de Nova Iorque, Andrew Cuomo, criticou o prefeito Bill Di Blasio e a polícia da cidade de Nova Iorque por causa da violência dos protestos do dia anterior.

“A polícia de Nova Iorque e o prefeito não fizeram seu trabalho ontem à noite", disse Cuomo. "Foram saques desenfreados pela cidade ontem à noite que eles não impediram."

Cuomo disse que a Polícia Estadual e 13 mil membros da Guarda Nacional estavam de prontidão. Mas Di Blasio se opôs a usar o efetivo, julgando “imprudente” usar Forças Armadas externas para uma situação para qual não têm treinamento”.

"Não precisamos nem achamos sábio que a Guarda Nacional esteja na cidade de Nova York", disse Di Blasio nesta terça-feira. O prefeito estendeu o toque de recolher a partir das 20h até domingo e prometeu agir contra os "forasteiros", "membros de gangues" e "criminosos comuns", que, segundo ele, são responsáveis por saques e violência.

Protestos em outras cidades

Em Atlanta, na Georgia, a polícia usou gás lacrimogênio para dispersar os manifestantes perto do Parque Olímpico do Centenário. Segundo o jornal The New York Times, após o toque de recolher, iniciado às 21h (horário local), os manifestantes atacaram os policiais com garrafas e fogos de artifício.

Em Washington, no Distrito de Columbia, cerca de 250 manifestantes desobedeceram o toque de recolher, que começou a vigorar às 19h (horário local), e continuaram no Parque Lafayette, perto da Casa Branca. Segundo a CNN, um grupo atirou garrafas nos integrantes da Guarda Nacional, que responderam com spray de pimenta.

De suas casas, moradores da capital norte-americana promoveram um panelaço para protestar contra o toque de recolher, que chega ao terceiro dia. Já em Houston, no Texas, os protestos contra a morte de George Floyd foram pacíficos nesta terça-feira, com um grupo percorrendo o centro da cidade em cavalos.


publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895