Polícia usa gás lacrimogêneo para dispersar multidão em protesto em Paris

Polícia usa gás lacrimogêneo para dispersar multidão em protesto em Paris

Ação começou no momento em que um grupo de contra-manifestantes de extrema direita foi desalojado do telhado de um prédio

AE

Manifestantes dispararam fogos de artifício e gritaram contra a polícia

publicidade

A polícia lançou gás lacrimogêneo e impediu manifestantes de marcharem por Paris para protestar contra brutalidade policial e injustiça racial neste sábado. A ação começou no momento em que um grupo de contra-manifestantes de extrema direita foi desalojado do telhado de um prédio com vista para o protesto.

Manifestantes dispararam fogos de artifício e gritaram contra a polícia. Famílias e outras pessoas que tentavam sair do protesto tiveram dificuldades para deixar o local porque a polícia havia bloqueado a maioria das rotas de saída. A multidão restante se ajoelhou.

A polícia decidiu impedir a multidão de sair da Place de la Republique, no leste de Paris, em direção à principal casa de ópera da cidade. Um oficial da polícia disse à Associated Press que a decisão foi tomada por causa da proibição nacional de reuniões de mais de 10 pessoas para impedir a propagação do novo coronavírus.

Os contra-manifestantes haviam aberto anteriormente uma faixa sobre "racismo anti-branco" e acenderam labaredas nas cores azul-branco-vermelho da bandeira francesa. Moradores do prédio foram às janelas para derrubar a faixa. Mais tarde, ativistas anti-racismo confrontaram os ativistas de extrema direita no telhado, atirando suas mochilas e cordas na direção da rua.

O protesto em Paris lembrou Adama Traore, homem negro francês de 24 anos que morreu em 2016. Traore não tinha seu cartão de identidade consigo e teria fugido ao ser abordado pela polícia. Um enorme retrato mostrava um rosto de metade Traore, metade Floyd. A irmã de Traore, Assa, disse à multidão: "Todos estamos exigindo a mesma coisa - justiça justa para todos". Ela disse que seu irmão também foi algemado e detido pela polícia antes de morrer. Um relatório final divulgado no mês passado inocentou três policiais de irregularidades, desencadeando novos protestos.


publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895