Premiê britânica faz reunião com ministros por crise do Brexit
capa

Premiê britânica faz reunião com ministros por crise do Brexit

May esperava que Parlamento Britânico adotasse texto antes de data prevista para saída

Por
AFP

May esperava que Parlamento Britânico adotasse texto antes de data prevista para saída

publicidade

A primeira-ministra britânica, Theresa May, realizou uma reunião de crise com seus ministros nesta terça-feira, depois da decisão do presidente da Câmara dos Comuns de descartar a possibilidade de voltar a votar o "mesmo acordo" do Brexit. Embora o texto que ela negociou com a UE tenha sido categoricamente rejeitado em janeiro e novamente na semana passada, May ainda esperava que fosse adotado pelo Parlamento britânico antes de 29 de março, data prevista para o Brexit.

A decisão tomada pelo presidente da Câmara, John Bercow, na última segunda-feira, segundo a qual o texto a ser submetido à nova votação deveria ser "substancialmente diferente", complicou seus planos. May pretendia colocar o texto novamente em votação no mais tardar nesta quarta-feira.

No dia seguinte, viajaria para Bruxelas para participar de uma cúpula de dois dias com seus colegas dos 27 países sócios e, então, solicitaria mais tempo para conduzir a caótica situação. O jornal britânico "The Sun" assegura nesta terça que May está redigindo uma carta ao presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, na qual pede formalmente um adiamento entre nove e 12 meses.

Se o pedido for aceito - e precisa ser com a unanimidade de todos seus membros -, isso implicará que o Reino Unido participará das eleições europeias de maio, quase três anos depois do referendo que decidiu pelo Brexit. Para muitos, essa situação será considerada um completo fracasso. Um longo adiamento também poderia levar à organização de um segundo referendo por parte dos defensores de permanecer no bloco europeu e pode acabar arruinando todo o processo.

UE quer explicações

Os países europeus não escondem sua irritação com o bloqueio em relação ao Brexit e aumentaram a pressão sobre a premiê britânica para que resolva a situação. "O tempo está acabando. Estamos realmente esgotados com estas negociações. Isso não é um jogo, é uma situação muito séria", afirmou o ministro alemão para Assuntos Europeus, Michael Roth, ao chegar para a reunião com seus colegas em Bruxelas.

"A incerteza é insuportável", afirmou sua colega francesa Nathalie Loiseau, que disse esperar pela "decisão dos britânicos sobre o que querem, sobre o que propõem para sair do ponto morto em que estão por sua própria decisão". O ministro alemão assegurou que a prioridade de seu governo é "evitar um cenário de Brexit sem acordo", já que isso seria "a pior situação para os habitantes do Reino Unido e também para os outros 27 países europeus".

Na mesma direção, a ministra francesa apontou para uma modificação das linhas vermelhas de Londres. "Se o Reino Unido quiser repensar o futuro relacionamento (com a UE), estamos dispostos a discutir isso", reconheceu. O porta-voz da Comissão Europeia, Margaritis Schinas, recusou-se a comentar o procedimento parlamentar britânico, mas pediu a May que "decida os próximos passos" e informe a UE "com rapidez". A incerteza paira agora sobre os próximos passos da chefe de governo britânico, faltando apenas dez dias para o Brexit, em 29 de março.