Putin nega responsabilidade por crise alimentar mundial

Putin nega responsabilidade por crise alimentar mundial

Conflito na Ucrânia levantou temores de uma crise que afetará particularmente os países mais pobres.

AFP

Putin culpou sanções ocidentais impostas à Rússia

publicidade

O presidente russo Vladimir Putin negou nesta quinta-feira toda a responsabilidade da Rússia com a crise alimentar mundial, ao receber seu colega indonésio Joko Widodo, cuuo país assume a presidência rotativa do G20. "Não impomos nenhuma restrição à exportação de fertilizantes, nem de produtos alimentícios", disse Putin ao receber Widodo no Kremlin um dia após a visita do presidente indonésio à Ucrânia.

Putin culpou as sanções ocidentais impostas à Rússia, que, visando especialmente os proprietários de empresas de fertilizantes, tornam "difícil" fornecer alguns produtos internacionalmente. A Rússia "também não coloca obstáculos à exportação de trigo ucraniano", disse Putin, acrescentando que está "em contato permanente" com o órgão da ONU encarregado do assunto.

O conflito na Ucrânia afetou o equilíbrio alimentar mundial, levantando temores de uma crise que afetará particularmente os países mais pobres. A Ucrânia, grande exportadora de cereais, especialmente milho e trigo, viu sua produção bloqueada pela ofensiva militar de Moscou.

A Rússia garante que liberará os navios ucranianos carregados de produtos alimentícios se o exército ucraniano realizar a desminagem de suas rotas marítimas, opção rejeitada pela Ucrânia, que teme pela segurança de suas costas do Mar Negro.

Por sua vez, a Rússia, outra potência em produção de cereais, não pode vender sua produção e seus fertilizantes devido às sanções ocidentais que afetam os setores financeiro e logístico. O Kremlin anunciou esta semana que "respondeu positivamente" ao convite para a cúpula do G20 em Bali, Indonésia, em novembro, sugerindo que Putin espera estar lá. Os países ocidentais, liderados pelos Estados Unidos, estão pressionando a Indonésia a excluir a Rússia desta reunião, da qual a Ucrânia também é país convidado.



Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895