Reino Unido inicia "nova era" fora da União Europeia

Reino Unido inicia "nova era" fora da União Europeia

Principal objetivo do país agora é negociar a relação comercial com Bruxelas, também com Washington, e superar divisões

AFP

"A cortina se abre para um novo ato em nosso grande drama nacional", disse Boris Johnson

publicidade

Fora da União Europeia (UE) pela primeira vez em quase 47 anos, o Reino Unido inicia neste sábado uma "nova era" em que terá como principal objetivo negociar a relação comercial com Bruxelas, mas também com Washington, e superar as divisões.

"A cortina se abre para um novo ato em nosso grande drama nacional", disse o primeiro-ministro Boris Johnson na sexta-feira em uma mensagem à nação, quando o país deixou oficialmente, às 23H00 locais, o bloco europeu, para celebração de alguns e lágrimas de tristeza de outros.

"Despedida da UE" (The Times), "O dia em que dizemos adeus" (The Guardian) ou "O Reino Unido corta finalmente laços com a UE" (Financial Times): a imprensa recebeu o dia como uma nova página do futuro do país. "Agora a construir o Reino Unido que nos prometeram", exigiu o jornal The Mirror.

Novamente solitário

O país entrou em 1973 para a Comunidade Econômica Europeia, antecessora da UE, os britânicos devem agora "usar os novos poderes, a soberania recuperada, para conquistar as mudanças pelas quais as pessoas votaram", disse Johnson.

O resultado do referendo de 2016, quando 52% dos britânicos votaram a favor do Brexit, foi explicado por muitos como uma reação desesperada da parte do país - principalmente Gales e o norte da Inglaterra - esquecida por uma globalização que enriqueceu Londres e aumentou as desigualdades.

Johnson, que chegou ao poder em junho ao substituir Theresa May como líder do Partido Conservador, só conseguiu romper o bloqueio político ao convocar eleições antecipadas em dezembro. E então, para surpresa de muitos, conseguiu derrotar o opositor Partido Trabalhista em várias circunscrições operárias que votaram majoritariamente pelo Brexit e não aguentavam mais os adiamentos de uma saída inicialmente prevista para 29 de março de 2019.

Consciente de que estes eleitores "emprestaram" seu voto, Johnson prometeu reunificar o país e investir, em educação e saúde, para reduzir as desigualdades depois de conseguir o que durante muito tempo pareceu quase impossível: concretizar o divórcio com os 27 sócios europeus. "Este é o amanhecer de uma nova era na qual não aceitamos mais que as oportunidades de sua vida - as oportunidades de sua família - devem depender da parte do país em que você cresceu", afirmou.

Na segunda-feira, Johnson deve fazer um discurso para apresentar suas metas para os britânicos e o papel do Reino Unido no mundo. No momento, porém, precisa lidar com o descontentamento de uma parte importante do país, a Escócia, uma nação semiautônoma de 5,4 milhões de pessoas em sua maioria contrárias ao Brexit que, em uma tentativa de retornar à União Europeia, parece cada vez mais tentada por uma eventual independência. Uma grande manifestação para pedir um segundo referendo de autodeterminação, após a vitória do não em uma consulta em 2014, estava prevista para este sábado em Edimburgo.

"Há muito em jogo"

"O Brexit está longe de ter acabado. A batalha sobre a UE pode ter acabado, a batalha pelo Reino Unido está a ponto de começar", afirmou neste sábado o lobby pró-Brexit da indústria pesqueira, que espera recuperar a prosperidade com o gim das cotas e a presença de barcos europeus.

Entre as poucas mudanças visíveis de maneira imediata, a missão diplomática britânica em Bruxelas, até agora denominada "Representação do Reino Unido ante a UE", enviou um funcionário durante a manhã para mudar a placa de seu edifício, que agora diz "Missão do Reino Unido ante a União Europeia", o que significa que não é mais um país membro.

Também assumiu o posto o novo embaixador da UE em Londres, o português João Vale de Almeida, que afirmou no Twitter que deseja "trabalhar de maneira construtiva com as autoridades britânicas e povo britânico, estabelecendo as bases para uma sólida relação".

Nos próximos meses, Londres terá que negociar a futura relação com Bruxelas, ao mesmo tempo que tentará alcançar um ambicioso tratado de livre comércio com os Estados Unidos, sua principal aposta para substituir o sócio europeu. "Há muitas coisas em jogo", declarou à AFP Jill Rutter, do centro de pesquisa 'UK in a Changing Europe'.

Johnson disse que não deseja ficar alinhado com as normas europeias, o que preocupa os ex-sócios. "Não podemos permitir que se estabeleça uma concorrência nefasta entre nós", advertiu o presidente francês, Emmanuel Macron, em uma carta aos britânicos publicada no jornal The Times.



Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895