Repelente para insetos pode matar coronavírus, afirma estudo britânico

Repelente para insetos pode matar coronavírus, afirma estudo britânico

Cientistas descobriram que o citriodiol tem propriedades antivirais aplicadas ao vírus em estado líquido e em uma superfície de teste

AFP

Estudo ainda não foi revisado externamente por outros cientistas

publicidade

Um produto químico usado em repelentes de insetos, cujo componente ativo vem do eucalipto, pode neutralizar a cepa do coronavírus que causa a Covid-19, de acordo com um estudo publicado pelo Ministério britânico da Defesa nesta quarta-feira. Cientistas do Laboratório de Ciência e Tecnologia de Defesa (DSTL, sigla em inglês) descobriram que o citriodiol, usado em produtos contra mosquitos, como o Mosi-guard, tinha propriedades antivirais aplicadas ao vírus em estado líquido e em uma superfície de teste (site do DSTL, em inglês).

O produto foi aplicado diretamente sobre o SARS-CoV-2 em forma de gota e sobre uma "pele sintética" de látex, relatou o Ministério em uma nota. Em ambos os casos, foi eficaz contra o vírus.

Em alta concentração, o "Mosi-guard resultou em uma diminuição significativa" dessa cepa de coronavírus, acrescenta o comunicado. O citriodiol é feito do óleo extraído das folhas e do caule do eucalipto citriodora, que cresce na América do Sul, na África e na Ásia, e já se sabia que pode matar outros tipos de coronavírus.

O estudo não foi revisado externamente por outros cientistas. De acordo com o Ministério da Defesa, seu objetivo é servir de "base para outras organizações científicas que estão investigando o vírus e suas possíveis soluções". "O DSTL espera que as descobertas desta pesquisa possam ser usadas como um trampolim para que outras organizações ampliem e desenvolva a pesquisa, assim como para confirmar as descobertas desta publicação", afirma a pasta.

Em maio, o ministro britânico da Defesa, Ben Wallace, disse que as Forças Armadas de seu país estavam usando o repelente de insetos como proteção adicional contra o coronavírus, após receber a confirmação de que não era nocivo.


publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895