Trump afirma que "todos devem ser ouvidos", mas convoca pacificação nos EUA

Trump afirma que "todos devem ser ouvidos", mas convoca pacificação nos EUA

Presidente condenou possíveis novos atos violentos contra a sua saída do governo

AE

Presidente criticou indiretamente sua suspensão nas redes sociais

publicidade

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, discursou através do Twitter da Casa Branca, nesta quarta-feira. Ele voltou a condenar a violência durante a invasão do Capitólio na última semana, e que os envolvidos nos ataques serão levado à justiça. Ele também salientou que o serviço secreto norte-americano está monitorando ameaças de novas hostilidades e pediu que os mentores desistam imediatamente, independentemente do suposto apoio ao seu governo.

"Nenhum dos meus apoiadores verdadeiros se envolveria em violência política", afirmou Trump, em vídeo publicado no Twitter da Casa Branca. "Se você se envolveu nos eventos da última semana, não é um apoiador do nosso movimento, mas alguém que o atrapalha", indicou o presidente.

"Fui avisado de que há riscos por conta de novas manifestações", indicou Trump, lembrando que os norte-americanos tem direito a serem ouvido, mas que todos "devem seguir a lei". Segundo o presidente, "agências federais terão todos os recursos para manter ordem", assegurando que a transição ocorra de forma segura. "Violência deve parar, não importa qual sua filiação política", clamou Trump.

Sem fazer críticas diretas após ser restringindo em diversas redes sociais, Trump criticou a medida. Ele indicou que no momento é necessário que "ouçamos uns aos outros, e não silenciemos uns aos outros". Segundo o presidente, entre os objetivos prioritário do momento estão a entrega das vacinas contra a Covid-19 e a reconstrução do país.

 


publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895