Turquia ameaça responder em caso de ataque a suas posições militares na Síria

Turquia ameaça responder em caso de ataque a suas posições militares na Síria

País instalou 12 postos de observação na região de Idlib para impedir uma ofensiva das forças do governo sírio

AFP

Turquia enviou para a região cerca de 150 veículos com comandos e munições para reforçar suas posições

publicidade

O Ministério turco da Defesa ameaçou responder, neste sábado (8), em caso de ataque contra suas posições militares no noroeste da Síria, um dia depois de três delas terem sido cercadas por forças leais ao governo de Damasco. "Nossos postos de observação em Idlib continuam trabalhando e são capazes de se proteger com as armas e com o equipamento que têm", disse o Ministério turco da Defesa no Twitter. "Em caso de um novo ataque, haverá uma resposta adequada da maneira mais forte, baseada no direito à autodefesa", acrescentou.

Graças a um acordo com a Rússia, aliada do governo Bashar al-Assad, a Turquia instalou 12 postos de observação na região de Idlib para impedir uma ofensiva das forças do governo sírio. Esta semana, a Turquia também enviou para a região cerca de 150 veículos com comandos e munições para reforçar suas posições. Três delas foram cercadas na sexta-feira pelas tropas pró-governo, disseram as autoridades.

Após a morte, na segunda-feira, de oito turcos em um tiroteio com forças pró-Damasco, o presidente Recep Tayyip Erdogan deu um ultimato à Síria para que afaste suas tropas desta área até o fim de fevereiro. Na sexta, o chefe da diplomacia turca, Mevlut Cavusoglu, pediu à Rússia que interceda para frear os ataques das tropas sírias pró-governo em Idlib, "o quanto antes". A Turquia apoia certos grupos rebeldes sírios, e a Rússia apoia o governo de Al-Assad, mas os dois países estreitaram sua cooperação desde 2016 e se tornaram interlocutores cruciais do conflito sírio.


publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895