Vacina chinesa é efetiva contra variantes da Covid-19, afirma grupo farmacêutico

Vacina chinesa é efetiva contra variantes da Covid-19, afirma grupo farmacêutico

Pequim anunciou na quinta-feira que detectou a nova variante de origem britânica em um estudante que retornava do Reino Unido

AFP

Vacina feita na China é efetiva contra variantes da Covid-19

publicidade

A primeira vacina chinesa aprovada oficialmente contra a Covid-19 é eficaz contra as novas variantes do vírus, afirmou um dos grupos responsáveis pelo desenvolvimento do fármaco. A vacina desenvolvida pelo laboratório público Sinopharm em parceria com o China National Biotec Group (CNBG) tem uma taxa de eficiência de 79%, anunciou na semana passada o grupo farmacêutico, pouco antes de receber uma aprovação "condicional" para a comercialização. "A atual mutação do vírus Covid-19 não faz com que a vacina seja ineficaz", disse o presidente do CNBG, Yang Xiaoming, à imprensa estatal.

Pequim anunciou na quinta-feira que detectou a nova variante de origem britânica em um estudante que retornava do Reino Unido. Em 24 de dezembro, a China já havia ordenado a suspensão de seus voos com este país. As autoridades chinesas tentam acelerar a vacinação antes da grande migração do Ano Novo lunar, que acontecerá em 12 de fevereiro. A festa geralmente provoca o maior movimento de migração do mundo, quando centenas de milhões de trabalhadores deixam as grandes metrópoles para retornar a suas cidades de origem.

Veja Também

Em Xangai, os profissionais de saúde receberam uma injeção esta semana. Mas ao contrário da Europa, os idosos não estão entre os grupos prioritários para a vacinação e os fármacos estão reservados para pessoas com idades entre 18 e 59 anos. Segundo o jornal Global Times, poucas pessoas idosas foram incluídas nos testes clínicos da vacina, o que explica "o recurso prudente da vacinação para pessoas mais velhas".

Sem aguardar a aprovação oficial das autoridades médicas, a China, onde a Covid-19 apareceu pela primeira vez há pouco mais de um ano, começou a vacinar milhões de pessoas em caráter emergencial no ano passado, incluindo profissionais da saúde, estudantes que viajariam ao exterior e diplomatas.

Nos últimos meses foram administradas ao menos 4,5 milhões de doses, anunciaram as autoridades na semana passada. Embora o país tenha erradicado em grande medida a epidemia, na segunda-feira e terça-feira foram registrados 33 novos casos em 24 horas, o maior número em quase dois meses.


publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895