Variante descoberta na Índia é 'preocupante', diz OMS

Variante descoberta na Índia é 'preocupante', diz OMS

Cientista explicou que mais detalhes serão publicados na terça-feira no relatório epidemiológico

AFP

OMS alertou para variante descoberta na Índia

publicidade

A Organização Mundial da Saúde (OMS) afirmou, nesta segunda-feira (10), que classificou a variante do vírus da Covid-19 descoberta na Índia, a B.1.617, como "preocupante" por ser mais resistente e contagiosa. "Há informes de que a B.1.617 é mais contagiosa", mas também há indícios de que tem um grau de resistência às vacinas e, "portanto, nós a classificamos como uma variante preocupante", afirmou a doutora Maria Van Kerkhove, responsável técnica pela luta contra a covid-19 na OMS.

A cientista explicou que mais detalhes serão publicados na terça-feira no relatório epidemiológico semanal da agência da ONU. Ela ressaltou, porém, que faltam muitas pesquisas sobre essa variante, principalmente por meio do aumento do sequenciamento, "para saber a quantidade desse vírus que circula" e o grau de "intensidade" com que atenua a eficácia das vacinas.

"Não temos nada que sugira que nossos diagnósticos, medicamentos e vacinas não estejam funcionando. E isso é importante", frisou, insistindo ainda que é preciso continuar a aplicar medidas sanitárias como o distanciamento social, uso de máscara, redução de contatos, etc.

Veja Também

Uma vacina com eficácia reduzida não significa que não cumpra uma função protetora contra as formas mais graves da Covid-19 e previna mortes. "Vamos continuar vendo variantes preocupantes e tudo o que for possível deve ser feito para limitar a transmissão, limitar as infecções, prevenir o contágio e reduzir a gravidade da doença", insistiu.

Essa nova variante é uma das razões, mas de longe não é a única, que explica a explosão da pandemia na Índia, que é atualmente o pior foco da doença. De acordo com estatísticas oficiais, cerca de 4.000 pessoas morrem atualmente a cada dia de covid-19 na Índia, onde o saldo total da epidemia é próximo a 250.000 mortes.

Muitos especialistas estimam que esses números são inferiores à realidade e citam dados de crematórios. As vítimas não contabilizadas são especialmente numerosas agora que o atual surto epidêmico se espalhou para fora das grandes cidades, em áreas rurais onde os hospitais são escassos e seus registros são mal atualizados.

 


publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895