CEO global do Carrefour lamenta morte e cobra treinamento de funcionários

CEO global do Carrefour lamenta morte e cobra treinamento de funcionários

Alexandre Bompard pediu ao Grupo Carrefour Brasil que "seja realizada uma revisão completa das ações de treinamento"

AE

Unidade do Carrefour foi alvo de protestos em Porto Alegre

publicidade

O CEO global do Carrefour, o francês Alexandre Bompard, afirmou na tarde desta sexta-feira, 20, que a empresa "não compactua com racismo e violência" e que pediu ao Grupo Carrefour Brasil que "seja realizada uma revisão completa das ações de treinamento dos colaboradores e de terceiros no que diz respeito à segurança, respeito à diversidade e dos valores de respeito e repúdio à intolerância".

Em uma série de mensagens em português em sua conta no Twitter, o executivo afirmou que as imagens que mostram seguranças do Carrefour espancando até a morte João Alberto Silveira Freitas em Porto Alegre "são insuportáveis".

De acordo com Bompard, medidas internas foram imediatamente tomadas pelo Grupo Carrefour Brasil, principalmente em relação à empresa de segurança terceirizada, mas essas medidas, na visão do executivo, são insuficientes.

Veja Também

Nesse sentido, o francês cobrou a revisão do treinamento dos funcionários e a colaboração da empresa com a Justiça para que "os fatos deste ato horrível sejam trazidos à luz".

"Meus valores e os valores do Carrefour não compactuam com racismo e violência. Espero que o Grupo Carrefour Brasil se comprometa, além das políticas já implantadas pela empresa", disse ele.

Ao pedir a revisão do treinamento, ele determinou que ela seja acompanhada por especialistas externos. "Esta revisão será acompanhada de um plano de ação definido com o suporte de empresas externas para garantir a independência deste trabalho", destacou o executivo.


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895