Corpos de vítimas são identificados e liberados após chacina em Mato Grosso

Corpos de vítimas são identificados e liberados após chacina em Mato Grosso

Há mais de dez anos os conflitos fundiários são comuns no local, onde já ocorreram assassinatos e agressões

Agência Brasil

publicidade

Os corpos das nove pessoas assassinadas na última quinta-feira em uma área rural do município de Colniza, em Mato Grosso, já foram identificados e liberados pela Perícia Oficial e Identificação Técnica (Politec) do estado. Fábio Rodrigues dos Santos, Izaul Brito dos Santos, Ezequias Santos de Oliveira, Samuel Antônio da Cunha, Francisco Chaves da Silva, Sebastião Ferreira de Souza, Aldo Aparecido Carlini, Edson Alves Antunes e Valmir Rangeu do Nascimento foram mortos. Sete vítimas são de Rondônia, uma do Mato Grosso e uma do Alagoas, todos homens adultos.

A chacina ocorreu perto do distrito de Guariba, em uma área denominada Taquaruçu do Norte, a 350 quilômetros da sede de Colniza. O município, que é um dos líderes no ranking de desmatamentos na Amazônia, fica a 1.065 quilômetros de Cuiabá. Os corpos já foram liberados pela perícia. Um será sepultado em Cerejeiras (RO), três em Guariba e cinco em Colniza.

De acordo com a Comissão Pastoral da Terra (CPT), há mais de dez anos os conflitos fundiários são comuns no local, onde já ocorreram outros assassinatos e agressões. A CPT informou que investigações policiais feitas nos últimos anos apontaram que “os gerentes das fazendas na região comandavam uma rede de capangas, altamente armados, que usavam do terror para que a área fosse desocupada pelos pequenos produtores”.

Os nove corpos foram resgatados na sexta-feira no fim do dia e o transporte até Colniza foi feito durante a madrugada. Informações preliminares apontam que as vítimas apresentam sinais de facadas e tiros. Policiais civis e militares estão no local do crime apurando os fatos. A Secretaria de Segurança Pública de Mato Grosso deslocou uma equipe de investigadores e peritos de Cuiabá para reforçar as investigações na região. A prefeitura de Colniza e a paróquia do município também estão colaborando no caso.

publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895