Estelionato rural milionário é investigado pela Polícia Civil em vários municípios gaúchos

Estelionato rural milionário é investigado pela Polícia Civil em vários municípios gaúchos

Dois suspeitos já foram presos pelo golpe que já causou R$ 12 milhões de prejuízos aos pecuaristas

Correio do Povo

Houve o registro de ao menos 30 vítimas e de 3,3 mil cabeças de gado levadas pelos criminosos

publicidade

A Polícia Civil já estima em R$ 12 milhões de prejuízos com o crime de estelionato rural que fez mais de 30 vítimas e supera os 3,3 mil cabeças de gado levadas pelos criminosos. Os números devem aumentar com o avanço da investigação da Delegacia de Repressão aos Crimes Rurais e Abigeato (Decrab) de Bagé e DP de Formigueiro.

Nessa terça-feira, os dois suspeitos de envolvimento no golpe que atingiu os pecuaristas foram presos. Um dos investigados estava escondido na residência de familiares em Porto Alegre. Já o outro foi localizado no interior de Caçapava do Sul. Veículos foram apreendidos, além de bloqueios de contas bancárias, bens móveis e imóveis de sete investigados.

A investigação começou ainda na semana passada. Segundo o titular da Decrab de Bagé, delegado André de Matos Mendes, os indivíduos compravam bovinos com prazos para pagamento e vendiam os animais para terceiros com liquidez imediata, mas por um valor menor. Esta prática ocorreu por vários meses.

No início deste mês, as vítimas de vários municípios, pecuaristas que forneciam os animais aos suspeitos, foram surpreendidas com uma série de cheques sem previsão de fundos. Os cheques eram pré-datados e estavam nas mãos das vítimas que aguardavam a data certa para serem compensados.

Conforme o titular da Decrab de Bagé, as ocorrências registradas contra os investigados estão aumentando dia após dia. O delegado André de Matos Mendes acredita que os números vão aumentar com mais cheques pré-datados vencendo sem fundos em nome dos suspeitos. De acordo com ele, a investigação está apenas no começo e o objetivo principal no momento é buscar reaver o prejuízo das vítimas.  


Mais Lidas


Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895