Foragida há sete anos, técnica de enfermagem é presa em Gravataí pela 2ª DP de Novo Hamburgo

Foragida há sete anos, técnica de enfermagem é presa em Gravataí pela 2ª DP de Novo Hamburgo

Ele foi condenada a 23 anos por envenenar e esquartejar uma mãe para ficar com o recém nascido da vítima, crime ocorrido em março de 2005 em Santa Maria

Correio do Povo

Delegado Ivair Matos Santos comandou a captura no bairro Bonsucesso

publicidade

O titular da 2ª DP de Novo Hamburgo, delegado Ivair Matos Santos, anunciou na manhã desta terça-feira a prisão de uma técnica de enfermagem, de 47 anos, envolvida no esquartejamento de uma mãe para ficar com o recém-nascido da vítima, a dona de casa Glória Maria da Silva dos Santos, então com 44 anos. O crime foi cometido no início de março de 2005, em Santa Maria, tendo a participação do companheiro da acusada, já falecido.

A captura da foragida ocorreu na tarde da última segunda-feira no bairro Bonsucesso, em Gravataí. Ela estava fugitiva desde o dia 15 de setembro de 2014, após ser beneficiada com o uso de tornozeleira eletrônica. A mulher possui antecedentes pelos crimes de homicídio, furto, lesão corporal e estelionato. 

O paradeiro dela foi descoberto após seis meses de investigações. O delegado Ivair Matos Santos lembrou que a técnica de enfermagem tem, em sentença definitiva, uma pena de 23 anos de regime fechado por ter sido condenada no júri popular de Santa Maria. A mulher respondeu por crime de homicídio qualificado e sequestro de criança de recém-nascida. 

Conforme o delegado Ivair Matos Santos, o casal confessou que esquartejou o corpo da vítima após a sua morte por envenenamento e depois ficou com o recém-nascido dela. 

A acusada trabalhava na época no hospital onde ocorreu o parto. Ela ofereceu-se para acompanhar a vítima até a residência no dia em que ocorreu a alta hospitalar, três dias depois do nascimento. No entanto, a vítima, já sentido-se mal devido ao envenenamento, foi levada para a moradia da técnica de enfermagem no bairro Camobi, onde foi morta.

O desmembramento das partes do corpo da mãe da criança teve como objetivo “ocultar e dificultar as investigações na época”, sendo espalhadas às margens da ERS 509, em Santa Maria, o que “causou muita repercussão”. Resgatado, o bebê ficou aos cuidados do pai.

Segundo o delegado regional Sandro Meinerz, a Polícia Civil de Santa Maria já vinha realizando investigações para prender a foragida. Um mandado de prisão chegou a ser expedido pela Justiça no ano passado, mas a foragida não havia sido localizada.


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895