Manifestantes no RJ e SP fazem atos em supermercado após morte de João Alberto

Manifestantes no RJ e SP fazem atos em supermercado após morte de João Alberto

De acordo com a Record TV Rio, os manifestantes agem de forma pacífica

R7 e Correio do Povo

Na capital carioca, cerca de cem pessoas fazem um protesto em frente a uma unidade do supermercado

publicidade

Manifestantes no Rio de Janeiro e São Paulo realizam, nesta sexta-feira, atos pedindo justiça pela morte de João Alberto Silveira, um homem negro que foi espancado por dois seguranças no estacionamento do hipermercado Carrefour, em Porto Alegre.

Na capital carioca, cerca de cem pessoas fazem um protesto em frente a uma unidade do supermercado,  na Barra da Tijuca, zona oeste do Rio. De acordo com a Record TV Rio, os manifestantes agem de forma pacífica. Eles compram mercadorias e jogam fora na porta do supermercado. Nas redes sociais, manifestantes pedem apoio e convocam mais pessoas para o movimento.

Já em São Paulo, os manifestantes realizam ato na avenida Paulista. Imagens flagradas pelo helicóptero da Record TV mostram o grupo concentrado em frente ao Masp (Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand). Eles estendem cartazes e proferem gritos de ordem, pedindo justiça por João Alberto, acompanhados de um carro de som. 

Veja Também

Segundo informações da sala de imprensa da Polícia Militar, que acompanha ato, os manifestantes se concentraram por volta das 16h e caminham em direção à uma unidade do mercado Carrefour localizada na Avenida Brigadeiro Luís Antônio. Duas faixas da avenida, sentido centro, estão bloqueadas.

Protesto em Osasco

Um segundo protesto acontece em Osasco, na região metropolitana de São Paulo. Os manifestantes se concentram, desde às 17h50, em frente a uma loja do supermercado Carrefour na avenida dos Autonomistas. Os atos acontecem durante o Dia da Consciência Negra.

Em Porto Alegre, diversas pessoas participam de um ato em frente ao Carrefour da zona Norte, local onde ocorreu a morte de João Alberto. O caso, que ocorreu na noite de quinta-feira, está sendo investigado pela Polícia Civil e os dois envolvidos tiveram prisões preventivas decretadas na noite de hoje. 


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895