Plano de ataque a bancos em Carazinho ou Trindade do Sul é impedido pela Polícia Civil

Plano de ataque a bancos em Carazinho ou Trindade do Sul é impedido pela Polícia Civil

Assaltante de alta periculosidade foi capturado em operação que teve apoio da Brigada Militar

Por
Correio do Povo

Armas, munições, drogas, dinheiro, máscaras, coletes balísticos e ferramentas, entre outros objetos, foram apreendidos na ação


publicidade

A Polícia Civil impediu o plano de um ataque a banco, provavelmente em Carazinho ou em Trindade do Sul, com a captura de um assaltante considerado de alta periculosidade e líder de quadrilha. A informação foi dada na manhã desta quarta-feira pelo titular da Delegacia de Polícia de Pronto Atendimento (DPPA) de Carazinho, delegado Jader Ribeiro Duarte, à reportagem do Correio do Povo. O criminoso, de 36 anos, foi preso com um cúmplice, também ladrão de bancos, na tarde dessa terça-feira no bairro São Jorge. A ação teve apoio dos policiais militares do 38º BPM da Brigada Militar. A dupla encontrava-se foragida da Justiça e possui extensa ficha de antecedentes. A mobilização ocorreu após troca de informações com a Delegacia de Repressão às Ações Criminosas Organizadas (Draco) de Erechim que estava investigava o paradeiro do assaltante.

A operação resultou na apreensão de duas pistolas calibres 380 e 9 milímetros e cerca de 200 munições com carregadores e um extensor. Houve o recolhimento ainda de uniformes com nomes dos Correios e da Polícia Civil, radiocomunicadores, coletes balísticos, drogas, dinheiro, cartões bancários, lacres plásticos usados em reféns, toucas ninjas, máscaras e ferramentas, como tesourão e furadeira, entre outros objetos empregados em ataques. Joias e relógios, provavelmente roubados, também foram encontrados na ação policial. Um fuzil calibre 556 , porém, que estaria em poder do bandido, não foi localizado.

O delegado Jader Ribeiro Duarte observou que o assaltante capturado é de alta periculosidade. O criminoso havia escapado do Presídio de São Luiz Gonzaga no dia 7 de maio deste ano, tornando-se foragido. O titular da DPPA não descartou o envolvimento do bandido com o ataque contra o Banco do Brasil de Porto Xavier, em abril de 2019. Na ocasião, as vítimas foram mantidas como escudos humanos. Nas buscas da Brigada Militar integrantes da quadrilha foram presos ou mortos.


Já em 2018, lembrou o delegado Jader Ribeiro Duarte, o criminoso participou de, pelo menos, dois ataques a bancos, também com as pessoas sendo mantidas em cordões humanos. Em agosto, o Banrisul e o Sicredi de Entre Rios do Sul foram alvo do bando. Em setembro daquele ano, o Banrisul e o Sicredi de Paim Filho foram assaltados. Em ambos os casos, o dinheiro foi levado.