Rio Grande do Sul é líder em casos de injúria racial
capa

Rio Grande do Sul é líder em casos de injúria racial

Dados dos Anuário da Violência mostram que os três estados do Sul registraram o maior número de casos desse tipo de agressão

Por
Samantha Klein

Região Sul do País registrou metade do total de casos de injúria racial

publicidade

Os três estados do Sul são aqueles onde mais ocorrem atos de injúria racial, conforme o 13º Anuário da Violência elaborado pelo Forúm Brasileiro de Segurança Pública. O Rio Grande do Sul está no topo do ranking, com a marca de 1.507 casos registrados em 2018. O aumento é de 7,3% em relação ao ano anterior. 

Os dados são baseados nas ocorrências registradas pela Polícia Civil. Na sequência, Santa Catarina e Paraná não estão muito distantes. A polícia paranaense recebeu 1.239 denúncias de injúria racial, redução de 4,1% diante de 2017, quando ocorreram 1.289 casos. Já em Santa Catarina, o número de registros de injúria teve o espantoso crescimento de 211%, com 1.060 ocorrências registradas pela Polícia Civil do estado vizinho.

Ao todo, os três estados registram 49,97% do total de registros policiais do tipo no ano passado. No País, o aumento dos casos chega a 20,6%. Em 2018, foram denunciadas 7.616 ocorrências frente a 6.195 casos registrados no ano anterior.

A injúria racial consiste em agressões verbais direcionadas a uma pessoa com o objetivo de abalar o estado psicológico da vítima. A pena é de 1 a 3 anos de reclusão. 

Já os crimes de racismo, ao contrário da injúria que prescreve em oito anos, são imprescritíveis e inafiançáveis. O ato de impedir o acesso a serviços ou a empregos públicos ou empresas privadas por conta da cor da pele são exemplos de racismo.