Servidor que forjou o próprio sequestro é exonerado pela prefeitura de Farroupilha

Servidor que forjou o próprio sequestro é exonerado pela prefeitura de Farroupilha

Farsa tinha como objetivo extorquir a esposa para pagar supostas dívidas na cidade

Correio do Povo

Ele foi preso em Florianópolis (SC) com três armas e munições

publicidade

A Prefeitura de Farroupilha publicou em edição extra do Diário Oficial do Município a exoneração do servidor público, de 38 anos, que foi preso em Santa Catarina, por suspeita de forjar o próprio sequestro e tentar extorquir valores da esposa para que fosse “libertado”.

Lotado até então no Gabinete do Prefeito, em cargo de comissão interino de Assessor de Gestão e Ouvidoria, ele também foi detido por porte ilegal de arma de fogo, pois portava duas pistolas calibre nove milímetros, seis carregadores, um revólver calibre 32 e 36 munições. Um telefone celular, uma maleta e quatro cartões de chips tambpém foram recolhidos.

A pedido da DP de Farroupilha, sob comando do delegado Éderson Bilhan, os agentes da Delegacia de Roubos e Antissequestro da Diretoria Estadual de Investigações Criminais da Polícia Civil de Santa Catarina localizaram na tarde dessa quarta-feira o indivíduo no terminal rodoviário Rita Maria, em Florianópolis. Ele retornaria em um ônibus para Porto Alegre.

O registro do desaparecimento do então servidor público ocorreu na última terça-feira, após ter saído para caminhar e não ser mais visto. A equipe da DP de Farroupilha começou as diligências. Na manhã desta quarta-feira, ele passou a fazer contatos com a esposa, simulando ser outra pessoa e usando outro número de telefone, com DDD 48, de Santa Catarina, dizendo que estaria sequestrado e que precisariam realizar pagamentos para que fosse libertado.

Os policiais civis descobriram então que ele chegou a se hospedar em um hotel no Centro de Florianópolis. Os policiais catarinenses foram acionados para localizá-lo, sendo esclarecido com a prisão no terminal rodoviásrio que ele nunca tinha sido sequestrado.

Ao ser interrogado, o homem alegou ter dívidas em sua cidade, com pessoas que entregaram dinheiro para ele fazer investimentos. Sem conseguir saldar os supostos “investimentos” feitos, ele teve a ideia de fugir e simular o próprio sequestro.  


Mais Lidas

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895