Susepe deve ser notificada hoje para remoção de presos em viaturas
capa

Susepe deve ser notificada hoje para remoção de presos em viaturas

Em Porto Alegre, detidos estão em carros na frente ao Palácio da Polícia

Por
Correio do Povo

Sem vagas no presídio, presos seguem sendo mantidos em viaturas da BM

publicidade

A Superintendência dos Serviços Penitenciários (Susepe) deve receber nesta segunda-feira a notificação da decisão judicial que determina a transferência em 48 horas para o sistema carcerário dos presos recolhidos em viaturas da Brigada Militar e delegacias da Polícia Civil.

Em Porto Alegre, os detidos encontram-se nesta situação na 2ª Delegacia de Polícia de Pronto Atendimento, no Palácio da Polícia, no cruzamento das avenidas Ipiranga e João Pessoa, no bairro Santana, e na 3ª Delegacia de Polícia de Pronto Atendimento, na rua Comendador Tavares, no bairro Navegantes, sendo que nesta última foram colocados dois furgões antigos da BM para abrigá-los.

Na sexta-feira passada, o Palácio Piratini manifestou-se oficialmente ao saber que a Justiça concedeu decisão favorável ao pedido de habeas corpus coletivo impetrado pela Defensoria Pública do Estado do Rio Grande do Sul quanto à detenção de presos em viaturas e delegacias.

“Embora a Superintendência dos Serviços Penitenciários (Susepe) ainda não tenha sido notificada a respeito de decisão judicial que trata da situação de presos custodiados em viaturas e celas de delegacias de polícia, o Governo do Estado esclarece que: desde o início da atual gestão, o governo tem feito todos os esforços possíveis no sentido de encontrar uma solução definitiva para esse problema. No total, 5.486 presos que estavam nessa situação foram encaminhados para o sistema prisional desde o dia 1º de janeiro; a decisão judicial divulgada pela imprensa, no sentido de impedir a prisão em viaturas ou delegacias, vem ao encontro do trabalho empreendido pelo governo até aqui; o governo do Estado mantém o seu compromisso de agir de maneira consensuada, dialogando com todos os atores envolvidos no tema, com o objetivo de encontrar uma solução definitiva”, disse na nota.