capa

Suspeitos por assassinato de Marielle Franco são transferidos para presídio em Bangu

Ronnie Lessa e Élcio Queiroz se recusaram a depor à Polícia Civil

Por
Agência Brasil

Dezenas de armas foram encontradas sob propriedade de Ronnie Lessa

publicidade

Os dois suspeitos pela morte da vereadora Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes foram transferidos da Delegacia de Homicídios (DH) para o Complexo Prisional de Bangu. A transferência ocorreu no final da tarde desta sexta-feira, após eles se negarem a prestar depoimentos à Polícia Civil, resguardando o direito constitucional de só falar em juízo. Após uma passagem por Bangu, os ex-policiais Ronnie Lessa e Élcio Queiroz serão transferidos para um presídio federal, que ainda não foi definido.

"Foi um ato pró-forma aqui na delegacia e nós entendemos desnecessário, porque já existe denúncia. A gente não entendeu por que ele depor em sede de inquérito policial, uma vez que é um procedimento administrativo que busca indícios de autoria. Diante do fato das defesas técnicas não terem tido acesso ao inteiro teor do que consta no processo, eu orientei meu cliente a exercer o seu direito de permanecer calado e só falar em juízo", disse o advogado Henrique Telles, que defende Queiroz.

Ele sustentou a inocência do ex-PM, que estaria dirigindo o carro de onde partiram os tiros, e disse ser totalmente contra a transferência para um presídio federal fora do Rio. O advogado descartou ainda a possibilidade de Élcio fazer uma delação premiada, como sugeriu o governador do Rio, Wilson Witzel. "Absolutamente. Só faz delação premiada quem tem culpa, quem busca algum benefício. O meu cliente não faz delação premiada. Faz afirmação fundamentada, de que é inocente", declarou.