Agências reguladoras federais alertam que corte orçamentário de 20% pode tornar ações inviáveis

Agências reguladoras federais alertam que corte orçamentário de 20% pode tornar ações inviáveis

Documento aponta que 65% das vagas nos órgãos já estão vagas

Estadão Conteúdo

Documento é assinado pela Anvisa e outras dez agências

publicidade

As 11 agências reguladoras federais que atuam no Brasil divulgaram nota conjunta em protesto contra o corte orçamentário sofrido, de aproximadamente 20%, além do cenário de defasagem de servidores. Segundo as agências, atualmente mais de 65% dos cargos do quadro de pessoal das agências estão vagos.

"Atualmente, a realidade vivenciada pelas Agências põe em risco toda a evolução ocorrida ao longo desses anos, tendo em vista a situação crítica orçamentária e de pessoal que estão enfrentando", afirmam.

"Contudo, fomos surpreendidos com um corte orçamentário de cerca de 20%, o que pode inviabilizar a realização das ações necessárias para que se possa minimamente continuar a fazer uma boa regulação", diz a carta publicada no site da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP).

O documento relata que as agências reguladoras juntas arrecadam mais de R$ 130 bilhões por ano, enquanto o orçamento previsto para 2024 era de cerca de R$ 5 bilhões, "insuficiente frente às necessidades", ressalta.

Além do corte, as vagas autorizadas para a realização de concurso público não são suficientes para recompor nem a metade dos cargos vagos, correspondentes a mais de 65% do quadro de pessoal, decorrente de aposentadorias, exonerações e falecimento de servidores.

"Juntas, elas regulam os mais diversos setores da economia, que correspondem a uma considerável parcela do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro", destaca o protesto.

Assinam a carta:

1. Agência Nacional de Águas (ANA);

2. Agência Nacional de Aviação Civil (Anac);

3. Agência Nacional do Cinema (Ancine);

4. Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel);

5. Agência Nacional de Mineração (ANM);

6. Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP);

7. Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS);

8. Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel);

9. Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq);

10. Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT);

11. Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Veja Também


Mais Lidas





Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895