Bens mais valiosos de leilão de itens da Lava Jato não são vendidos
capa

Bens mais valiosos de leilão de itens da Lava Jato não são vendidos

Supercarro, duas embarcações e imóveis serão oferecidos com desconto em segunda rodada

Por
Agência Brasil

Lamborghini Aventador foi o item mais visitado do certame

publicidade

Os bens mais valiosos da lista de itens apreendidos na Operação Lava Jato, no Rio de Janeiro, não tiveram compradores em leilão nesta quinta-feira. Nesta primeira fase do certame, que ocorreu no prédio da Justiça Federal fluminense, havia lanchas, carros de luxo e propriedades pertencentes ao empresário Eike Batista, ao ex-governador do Rio Sérgio Cabral e ao economista Carlos Miranda.

O valor arrecadado ficou em R$ 90,5 mil. Dos dez bens disponibilizados, foram vendidos o jetboat Thorolin, com lance inicial de R$ 47 mil e arrematado por esse valor. Já o jet ski Spirit of Brazil X, com lance de R$ 42 mil, alcançou R$ 43,5 mil.

Outros bens de Eike Batista não tiveram interessados: a embarcação Intermarine 680 Spirit of Brazil, avaliada em R$ 3,5 milhões; o Lamborghini Aventador, branco, avaliado em R$ 2,24 milhões e o jet ski Spirit of Brazil IX, avaliado em R$ 52 mil. Embora não tenha recebido oferta de compra, o Lamborghini foi o item que teve o maior número de visitas (2.646), seguido da lancha de Cabral (2.353) e da embarcação de Eike (2.176).

A lista tinha ainda a lancha Ferretti 80 Luxury, de 80 pés, batizada com o nome de Manhattan Rio, que tem propriedade atribuída ao ex-governador. Foi oferecida por R$ 2,95 milhões. A fazenda Três Irmãos, em Paraíba do Sul, de Carlos Miranda, era avaliada em R$ 3 milhões. Esses itens também não foram arrematados.

Também fazem parte dos lotes não vendidos um apartamento em Jacarepaguá, zona oeste no Rio, pertencente a Ary Ferreira da Costa Filho, apontado como operador de Sérgio Cabral; dois automóveis, sendo um Mitsubishi Pajero e um Peugeot 206, de Luiz Carlos Bezerra, indicado também como receptor de propinas do ex-governador.

O leilão foi autorizado pelo juiz titular da 7ª Vara Federal Criminal, Marcelo Bretas, responsável pela Lava Jato no Rio de Janeiro. Os itens que não foram arrematados voltarão a ser oferecidos na segunda fase do leilão, marcada para o dia 18. Dessa vez os valores terão descontos de 20%. O leiloeiro Renato Guedes disse que, em geral, os interessados preferem apresentar os lances na segunda etapa para comprar com preços mais baixos.