Bibo Nunes defende viagem de comitiva do PSL à China
capa

Bibo Nunes defende viagem de comitiva do PSL à China

Deputado federal eleito do RS afirmou que parceria chino-brasileira trará benefícios ao país

Por
Correio do Povo

"É um senhor que está bastante senil, gagá, fora de órbita e nem mora no Brasil", disse Nunes sobre as críticas de Olavo de Carvalho

publicidade

Em entrevista à Rádio Guaíba diretamente de Pequim, o deputado federal eleito pelo PSL-RS, Bibo Nunes, defendeu a visita de integrantes do partido à China, afirmando que comitiva não está fazendo nada errado na Ásia e defendeu as relações comerciais entre Brasil e China. "Eu não vejo problema algum, até porque o presidente será convidado para vir à China. E eu acredito que ele virá", disse, comentado que a parceria sino-brasileira trará benefícios ao país. "É geração de empregos, é progresso, é desenvolvimento", comentou, citando 31 bilhões de dólares de investimento da nação asiática no Brasil.

• "Houve erro de comunicação", afirma deputada eleita do PSL sobre visita à China

Na quarta e na quinta-feira, as críticas de Olavo de Carvalho, o grande guru ideológico do governo, sobre o fato repercutiram nas redes sociais. "Se eu fosse guru, certas coisas não estariam acontecendo. A primeira é essa viagem de meia dúzia de senadores e deputados do PSL à China para negociar a instalação de sistema de reconhecimento facial nos aeroportos", criticou. "Instalar esse sistema é entregar ao governo chinês as informações sobre todo mundo que mora no Brasil, inclusive alguns refugiados chineses", disse, antes de chamar a comitiva de semianalfabeta.

"É um senhor que está bastante senil, gagá, fora de órbita e nem mora no Brasil. Mora lá fora e quer pregar moral. Vamos nos respeitar!", rebateu Nunes, que chamou o autointitulado filósofo de "desqualificado, um radical de extrema direita" e considerou que ele falou "uma bobagem sem fundamento algum".

O gaúcho também comentou sobre colegas de partido que criticaram os viajantes."Se alguém falou isso, é por ciúme de não ter sido convidado", disse, citando que o mercado econômico do país oriental é livre. "É uma liberdade incrível, ninguém aqui é tolido de nada", argumentou.