Bolsonaro compara os efeitos das chuvas na Bahia aos da quarentena

Bolsonaro compara os efeitos das chuvas na Bahia aos da quarentena

Questionado sobre ajuda para catástrofe, mandatário relembrou política de isolamento adotada no estado contra a Covid-19

AE e R7

Bolsonaro sobrevoou áreas atingidas

publicidade

O presidente Jair Bolsonaro criticou mais uma vez a política de isolamento social e lockdown adotada por vários governadores durante os momentos mais críticos da pandemia da Covid-19 no ano passado. Durante entrevista coletiva em Porto Seguro (BA), após sobrevoar as áreas atingidas pelas fortes chuvas no sul da Bahia, Bolsonaro foi questionado sobre como o governo federal poderá ajudar as famílias a se recuperarem após a catástrofe que atingiu a região e aproveitou para lembrar os efeitos do fechamento da economia.

"Nós tivemos uma catástrofe no ano passado quando muitos governadores, pessoal da Bahia fechou todo o comércio e obrigou o povo a ficar em casa. O povo, em grande parte; informais condenados a morrer de fome dentro de casa", disse. Em seguida, lembrou que o governo federal socorreu a todos com o auxílio emergencial.

"O governo é sensível a esses problemas, pede a colaboração de todos para que se supere esse problema e também que não destruamos a economia em nome de seja lá o que for, apesar de respeitarmos e entendermos a gravidade que esse vírus tem proporcionado ao Brasil", completou.

Veja Também

O presidente, acompanhado de uma comitiva de ministros, visitou a região atingida pelas chuvas na Bahia na manhã deste domingo e anunciou a autorização para a liberação de parcelas do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) aos municípios do norte de Minas Gerais e do sul da Bahia que estão em estado de emergência. Bolsonaro informou que as parcelas serão disponibilizadas em no máximo cinco dias, com valores de até R$ 6.200.

O governo federal também anunciou a liberação de R$ 5,8 milhões para apoiar municípios atingidos pelas enchentes na Bahia. O valor será destinado a sete municípios baianos: Eunápolis (R$ 2,197 milhões), Itamaraju (R$ 1,862 milhão), Jucuruçu (R$ 543,725 mil), Ibicuí (R$ 433,954 mil), Ruy Barbosa (R$ 260,160 mil), Maragogipe (R$ 503,885 mil) e Itaberaba (R$ 51,4 mil).


Mais Lidas


Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895