Bolsonaro "precisa de plenitude" para reassumir o cargo, diz porta-voz
capa

Bolsonaro "precisa de plenitude" para reassumir o cargo, diz porta-voz

Rêgo Barros reforçou que o presidente discursará na abertura da Assembleia-Geral da ONU no dia 24 de setembro

Por
AE

"Nós entendemos que para acelerar o processo de recuperação seria necessário um período maior de repouso", disse Rêgo Barros

publicidade

O presidente Jair Bolsonaro "precisa de plenitude para reassumir a Presidência" e por isso a volta dele ao cargo foi adiada em quatro dias, afirmou nesta sexta-feira, 13, o porta-voz da Presidência, Otávio Rêgo Barros. Bolsonaro se recupera no Hospital Vila Nova Star, em São Paulo, de uma cirurgia realizada no domingo, 8, para correção de uma hérnia incisional.

"Nós entendemos que para acelerar o processo de recuperação seria necessário um período maior de repouso", disse Rêgo Barros. Estava previsto que o mandatário reassumisse a Presidência de República nesta sexta-feira. No entanto, na quinta-feira, 12, o Palácio do Planalto informou que, por decisão médica, o presidente ficará afastado do comando do País até segunda-feira, 16. O presidente em exercício, até lá, é o general Hamilton Mourão.

Rêgo Barros reforçou também que Bolsonaro discursará na abertura da Assembleia-Geral da Organização das Nações Unidas (ONU) no dia 24 de setembro e disse que o presidente colocou o governo federal à disposição para "ajudar no que for necessário" em relação ao incêndio ocorrido na quinta no Hospital Badim, no Rio de Janeiro.

Boletim

O boletim médico do presidente, também divulgado nesta sexta-feira,13, informou que foi retirada a sonda nasogástrica e reintroduzida a dieta líquida. No entanto, Bolsonaro também continua recebendo alimentação diretamente na veia. O documento informou ainda que o presidente "tem evolução clínica favorável, sem dor, afebril e com recuperação progressiva dos movimentos intestinais". Bolsonaro mantém fisioterapia respiratória e motora e as visitas continuam restritas.