Bolsonaro sobrevoa nesta terça áreas de SP atingidas pelas chuvas

Bolsonaro sobrevoa nesta terça áreas de SP atingidas pelas chuvas

Número de mortes pelas inundações no estado chega a 24

R7

Presidente, acompanhado do filho, Eduardo Bolsonaro

publicidade

O presidente Jair Bolsonaro sobrevoa nesta terça-feira as áreas atingidas pelas chuvas em São Paulo. O chefe do Executivo deixou o Palácio do Planalto por volta das 8h e seguiu para a região paulista. O número de mortos pelas inundações no estado já ultrapassa 24, e há cerca de 660 desabrigados ou desalojados.

Bolsonaro confirmou, em entrevista à Record TV na segunda-feira, que acompanharia os estragos causados pelas chuvas. Ele destacou que as prefeituras atingidas podem decretar estado de calamidade para pedir ao Ministério do Desenvolvimento Regional a liberação de recursos e do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS).

O presidente viaja ao lado dos ministros João Roma (Cidadania), Rogério Marinho (Desenvolvimento Regional) e Tarcísio Freitas (Infraestrutura), e do deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP).

O presidente chegou a ser criticado por não ter visitado a Bahia e Minas Gerais, estados que também foram castigados por fortes chuvas no fim do ano. Na ocasião, o chefe do Executivo tirou férias e foi para a praia.

Adversário do presidente, o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), disse nas redes sociais que a visita de Bolsonaro, neste momento, é "bem-vinda".

Veja Também

Bolsonaro já havia comentado que não iria se opor a colaborar com o adversário político.  "Todos que quiserem colaborar, estamos à disposição. É o nosso dever colaborar com qualquer cidadão brasileiro em qualquer parte do nosso território. Sabemos que tem algo irreparável, que tem mortes, mas o Brasil está fazendo sua parte", argumentou.

De acordo com o Corpo de Bombeiros e a Defesa Civil Estadual, até esta segunda-feira, havia 24 mortes confirmadas em oito municípios. Entre as vítimas, há de oito crianças. Outras seis pessoas ficaram feridas e 11 estão desaparecidas.


Mais Lidas


Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895