Boulos não pretende privatizar nenhuma estatal, diz coordenador

Boulos não pretende privatizar nenhuma estatal, diz coordenador

Candidato pelo PSOL aposta em melhoria da governança para combater corrupção

AE

Candidato pelo PSOL aposta em melhoria da governança para combater corrupção

publicidade

Caso venha a ser eleito, o candidato Guilherme Boulos (PSOL) não pretende privatizar nenhuma estatal, de acordo com o coordenador do programa econômico dele, o professor da Unicamp Marco Antonio Rocha. "A saída para o problema da corrupção é melhorar a governança, não vendê-las", afirmou, no fórum "Os Economistas das Eleições", organizado pelo Grupo Estado em parceria com o Instituto de Economista Brasileira da Fundação Getulio Vargas (Ibre/FGV).

Rocha afirmou ainda que, caso eleito, o PSOL suspenderia imediatamente o acordo firmado entre a Boeing e a Embraer. Os leilões de áreas do pré-sal realizados durante o governo de Michel Temer deverão ser revogados, comentou Rocha. A reversão seria feita a partir da implementação do antigo marco regulatório para exploração petrolífera. O economista que assessora o PSOL também disse ver com "certa preocupação" o investimento da China no Brasil. "A gente não pode deixar de ser quintal dos Estados Unidos para ser quintal da China", ressaltou.

A saída para as empresas para o financiamento da ampliação produtiva, segundo ele, passaria pela retomada do papel do BNDES como agente de financiamento público. Na avaliação de Rocha, devido ao cenário internacional mais competitivo, com o aumento das tensões comerciais, "não está na hora de abrirmos mão das estatais". Sobre relações exteriores, o economista disse que o programa de governo do PSOL prevê a retomada da agenda "Sul-Sul" e a integração latino-americana.

Agenda

O próximo convidado do fórum "Os Economistas das Eleições" é André Lara Resende, um dos integrantes da equipe que formulou o Plano Real. Ele vai representar a campanha de Marina Silva (Rede). O debate ocorre na sexta-feira, a partir de 9h30, e tem transmissão ao vivo pelos terminais Broadcast e Broadcast Político, serviços de notícias em tempo real do Grupo Estado.

publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895