Brasil é respeitado no mundo porque respeita as urnas, diz Dilma

Brasil é respeitado no mundo porque respeita as urnas, diz Dilma

Presidente falou sobre necessidade de País voltar a ampliar comércio exterior

Por
AE

Presidente falou sobre necessidade de País voltar a ampliar comércio exterior


publicidade

A presidente Dilma Rousseff defendeu nesta quarta-feira, em discurso durante formatura de diplomatas do Instituto Rio Branco, que o Brasil só é respeitado no mundo porque há, internamente, o respeito ao resultado das urnas. "O Estado nacional brasileiro só é respeitado no mundo na medida que nosso território se respeita a soberania popular", disse a presidente, que enfrenta crise política e disse na semana passada que tem a legitimidade do voto.

Segundo palavras da presidente, o País viveu nos últimos anos "uma fascinante experiência de construção da democracia". Dilma disse que a democracia no País ainda é inconclusa e que a sociedade brasileira entendeu que ela não seria efetiva apenas com o Estado democrático de direito.

Dilma citou a redução da desigualdade e disse que o Brasil passou a ser respeitado externamente quando uniu liberdade e justiça social. A presidente também falou sobre países vizinhos e lembrou que eles, assim como o Brasil, só conseguiram alcançar a democracia depois de "derrotar" ditaduras.

Dilma falou também que as medidas macroeconômicas adotadas pelo governo deverão "restaurar muito em breve prazo as bases de um novo ciclo de crescimento". A presidente voltou a colocar como causa para os ajustes feitos pelo governo a crise econômica mundial de 2008 e falou sobre o fim do superciclo das commodities, ressaltando que "o potencial de cooperação" do Brasil facilitará a superação de dificuldades no curto prazo.

Em discurso aos novos diplomatas, a presidente falou sobre a necessidade de o País voltar a ampliar o comércio exterior. Dilma destacou a relação com a China, dizendo que contatos fortalecerão comércio e investimentos e falou que o Brasil é um "incansável defensor" da paz e da solução diplomática de conflitos.