Deputados estaduais discutem as mudanças nas carreiras do Executivo
capa

Deputados estaduais discutem as mudanças nas carreiras do Executivo

Projetos deverão ser encaminhados nos próximos dias, mas já geram manifestações e divergências entre parlamentares

Por
Luiz Sérgio Dibe

publicidade

Mesmo sem terem sido protocoladas pelo governador Eduardo Leite (PSDB), as propostas de alteração nas carreiras públicas do Estado já integram os debates na Assembleia Legislativa. Ontem, durante a sessão na qual foi rejeitada a Proposta de Emenda à Constituição que extinguiria a Licença Capacitação do funcionalismo, o tema incorporou os debates em plenário e nas rodas de conversas dos deputados.

“O governo diz que irá propor a retirada de direitos dos servidores, sob o argumento de que isso vai ajudar no enfrentamento contra a crise fiscal. Na prática, o que acontecerá é a redução da remuneração de trabalhadores que já enfrentam grandes problemas com atrasos, parcelamentos e congelamento de seus salários. Acredito que a crise precisa ser superada com ações do Estado para ampliar a arrecadação”, discursou a deputada Luciana Genro (PSol).

A proposta do governador para revisão das carreiras públicas foi apresentada, em linhas gerais, nesta segunda-feira a aliados, em uma reunião reservada a convidados, ocorrida no Centro de Treinamento da Procempa, na zona Sul da Capital. 

Para a deputada Zilá Breitenbach (PSDB), apesar de não haver detalhamento sobre as mudanças, a expectativa é de que os projetos promovam equilíbrio entre as remunerações do funcionalismo, com impacto positivo sobre as contas estaduais. “Alguma coisa precisa ser feita para que o Estado não entre os próximos anos sem dinheiro para investir. Uma coisa é certa: os debates serão acirrados”, pontuou Zilá.

Deputados de outras bancadas demonstraram cautela em relação à dimensão das propostas. “Na atual conjuntura, com servidores amargando atrasos e parcelamentos sobre salários que não são corrigidos há anos, vejo este tipo de iniciativa com muita preocupação”, ponderou Jeferson Fernandes (PT), destacando que o funcionalismo é formado majoritariamente por carreiras da educação e da segurança pública. “São carreiras cujos salários são modestos e as progressões por tempo representam o único crescimento”, citou.

Além dos adicionais de progressão, serão revisados itens como gratificações e Previdência. “Vamos analisar ponto a ponto para entendermos o impacto de cada proposta. Algumas questões já temos contrariedade, como cobrar contribuição previdenciária de aposentados com valor inferior ao teto do regime geral”, comentou o líder da bancada do PSB, Elton Weber.