Governo pode chegar a 58 ou 59 votos para aprovar Previdência, diz Bezerra
capa

Governo pode chegar a 58 ou 59 votos para aprovar Previdência, diz Bezerra

Articulação da equipe econômica é para que não haja nenhuma alteração na proposta

Por
AE

Segundo Bezerra, presença maior de senadores favoráveis à proposta assegura margem positiva na votação

publicidade

O governo calcula ter 58 ou 59 votos para aprovar, em segundo turno, a reforma da Previdência nesta terça-feira, no Senado. Além disso, a articulação da equipe econômica é para que não haja nenhuma alteração na proposta durante a votação no plenário, marcada para as 14h (de Brasília).

No primeiro turno, o texto-base da reforma foi aprovado com 56 votos favoráveis e 19 contrários. De acordo com o líder do governo no Senado, Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE), a presença maior de senadores favoráveis à proposta assegura uma margem maior no segundo turno.

"Teremos um quórum maior. Tinham cinco ausências no primeiro turno. Poderemos chegar a 58, 59 votos no texto principal e vamos caprichar nos destaques. Os destaques sempre oferecem mais dificuldades, então vamos trabalhar para manter o texto", afirmou Bezerra, depois da sessão da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) que aprovou o parecer sobre as emendas apresentadas após o primeiro turno da reforma.

A presidente da CCJ, Simone Tebet (MDB-MS), comentou que o governo está seguro sobre a aprovação do texto sem novas desidratações. No plenário, ainda nesta terça-feira, as bancadas poderão sugerir mudanças na reforma. Fernando Bezerra calcula que até cinco destaques serão apresentados no plenário e votados separadamente. O governo precisa de 49 votos para aprovar o texto principal e para derrubar cada tentativa de modificação.