Marinho oficializa candidatura à presidência do Senado e promete combater ativismo judicial

Marinho oficializa candidatura à presidência do Senado e promete combater ativismo judicial

O senador eleito enfrentará Pacheco e critica "omissão" do atual líder quanto às cassações das redes sociais de deputados

R7

Rogério Marinho e cúpula do PL no Senado, em anúncio de candidatura à presidência da Casa

publicidade

O senador eleito e ex-ministro Rogério Marinho (PL-RN) oficializou, nesta quarta-feira (7), a candidatura à presidência do Senado Federal, prometendo combater o que chamou de ativismo judicial. Candidato escolhido pelo PL em alinhamento direto com o presidente Jair Bolsonaro (PL), Marinho irá travar forças contra a reeleição do atual presidente do Congresso, Rodrigo Pacheco (PSD-MG). 

Ao anunciar a candidatura, Marinho citou as manifestações que ocorrem desde o fim das eleições a favor de Bolsonaro e disse que elas são "bem-vindas", desde que sem ferir princípios constitucionais. "Se manifestar pelo inconformismo faz parte do processo democrático", defendeu.

Para o senador eleito, o que deve ser combatido são os excessos e radicalismo "daqueles que se utilizam desses subterfúgios para praticarem atos antidemocráticos e do cerceamento da liberdade de expressão das pessoas. Isso que ameaça nossa democracia". 

Durante a conversa com jornalistas, Marinho criticou as decisões judiciais que bloquearam contas de deputados e influenciadores que apoiam Bolsonaro e disse ser necessário fazer frente ao que chamou de "ativismo, criatividade judicial".

Ele também criticou Pacheco por não questionar os bloqueios, dizendo que o presidente do Congresso "não pode se omitir na hora que a liberdade e inviolabilidade do mandato está em jogo. Significa agressão direta ao parlamento brasileiro". 

Ex-ministro do Desenvolvimento Regional e ex-secretário especial de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia, Marinho foi indicado por Bolsonaro na semana passada, durante um almoço com as lideranças do PL, conforme apurou a reportagem. Inicialmente, a disputa interna era entre ele, Eduardo Gomes (PL-TO) e Carlos Portinho (PL-RJ).

Agora, o objetivo do partido é buscar apoio de aliados. Pelas contas dos senadores do PL, Marinho já entra na disputa com aproximadamente 25 votos. O partido de Bolsonaro não abre mão de concorrer ao principal cargo do Senado e justifica que esta é uma demanda social demonstrada nas urnas, despontando o partido como a maior bancada no Senado. 

A candidatura é um risco que o PL assume em perder espaço na Mesa Diretora. Marinho destacou, no entanto, que a postura do partido será pela disputa.

"Muitas vezes, a busca do poder pelo poder, do espaço numa mesa ou comissão pode fazer com que haja uma subserviência e um atrelamento absolutamente indesejado no processo legislativo. Estamos confiantes e tranquilos de que é esse o caminho que o PL tem que trilhar", disse.


Mais Lidas

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895