Marinho promete "oposição vigilante" a Lula após perder eleição à presidência do Senado

Marinho promete "oposição vigilante" a Lula após perder eleição à presidência do Senado

Senador diz que vai fiscalizar ações do governo federal e cobra que Pacheco defenda prerrogativas do Congresso

R7

Senador Rogério Marinho na tribuna

publicidade

O senador Rogério Marinho (PL-RN), candidato derrotado na eleição à presidência do Senado nesta quarta-feira, prometeu que fará "oposição vigilante" ao governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Ele recebeu 32 votos contra 49 do vencedor. "Vamos exercer o nosso papel de oposição que as urnas nos colocaram e vamos ser vigilantes e propositivos, como se espera no processo democrático normal. Sempre que houver um fato, o nosso papel e o papel do parlamento é se debruçar sobre ele. Mas isso vai acontecer de acordo com as circunstâncias e com a conjuntura”, comentou.

"O nosso papel é de fiscalizador. É fazer o contraponto, é estabelecer o debate. Isso é uma dinâmica do próprio parlamento em função das ações que o governo deverá empreender", acrescentou.

Marinho disputou a presidência do Senado com Rodrigo Pacheco (PSD-MG), que foi reeleito para o posto. Após o resultado, Marinho cobrou de Pacheco defender a liberdade do Senado. "Ao longo dos últimos tempos, estamos vendo parlamentares sendo retirados das redes sociais e nós dissemos que isso caracteriza censura prévia. Nós esperamos que o discurso do presidente Rodrigo aconteça na prática e que ele realmente proteja a casa, o parlamento e o Congresso. Que faça valer o seu papel."

O primeiro discurso após a vitória de Pacheco foi em tom de pacificação política, Ele disse que a "polarização tóxica precisa ser erradicada do país". "Os Poderes da República precisam trabalhar em harmonia, buscando consenso pelo diálogo", destacou. Em outro trecho do discurso, Pacheco citou os ataques de 8 de janeiro, em que extremistas invadiram as sedes dos Três Poderes, e disse que "o discurso golpista precisa ser erradicado". Ele também comentou o combate às fake news.


Mais Lidas

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895