Mudanças na previdência são as "menos simpáticas", diz Leite sobre projeto
capa

Mudanças na previdência são as "menos simpáticas", diz Leite sobre projeto

Governador também ressaltou que "expectativa de direito não é direito adquirido", ao avaliar medidas

Por
Flavia Bemfica

Tucano informou que, a pedido da União Gaucha em Defesa da Previdência, a migração de um regime previdenciário para outro está sendo contemplada nos projetos


publicidade

Questionado sobre quais medidas considerava que enfrentariam maiores resistências dos deputados na Assembleia Legislativa e quais menos, o governador Eduardo Leite (PSDB) citou a alteração das alíquotas da previdência e da base de cálculo como as que talvez sejam as 'menos simpaticas'. E completou que "expectativa de direito não é direito adquirido". Ele também caracterizou como "infundada" a expectativa do magistério de que se pague o piso nacional com a aplicação do plano de carreira. E voltou a dizer que isso não tem como acontecer.

Apesar de não fornecer detalhes, o governador disse que o pagamento por subsídio na Brigada Militar e no Instituto Geral de Perícias (IGP), uma regra de transição para a incorporação de funções gratificada (FGs) e a extinção da Gratificação de Incentivo à permanência no serviço ativo (Aipsa), que será substituída por um abono de permanência no limite da contribuição previdenciária, são as principais alterações feitas desde que o governo anunciou o pacote.

Também sem dar detalhes, o tucano informou que, a pedido da União Gaucha em Defesa da Previdência, a migração de um regime previdenciário para outro está sendo contemplada nos projetos. Ao final, o governador afirmou estar confiante da aprovação das medidas, e não quis confirmar a convocação extraordinária do parlamento para janeiro de 2020, apesar de ela ter sido feita pelos deputados que participaram do café da manhã. 

 

Na saída, os parlamentares da base não mostravam a mesma confiança. A maioria ressaltou o papel da Assembleia no aperfeiçoamento dos projetos. O líder do governo no Legislativo, deputado Frederico Antunes (PP), assinalou que está aberto ao diálogo. 


O governador e o chefe da Casa Civil, Otomar e Vivian (PP), vem destacando que a administração Leite tem uma base sólida, com 40 parlamentares no Legislativo, e que mais de 30 deputados compareceram ao café desta quarta. Mas na coletiva depois do encontro apenas quatro acompanharam Leite. Além de Frederico, o líder do PSDB, deputado Luiz Henrique Viana, Rodrigo Lorenzoni, do DEM, e Franciane Bayer, do PSB.