“Não tem novo imposto no Brasil", diz Onyx Lorenzoni, em Porto Alegre

“Não tem novo imposto no Brasil", diz Onyx Lorenzoni, em Porto Alegre

Chefe da Casa Civil também descartou a adesão do Estado ao Regime de Recuperação Fiscal neste ano

Christian Bueller

Chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, participou de evento em Porto Alegre

publicidade

“Não tem novo imposto no Brasil, zero”. A afirmação é do ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, em passagem por Porto Alegre, nessa quinta-feira. Ele palestrou na sede da Associação Comercial de Porto Alegre (ACPA), no Palácio do Comércio, em um evento para convidados, com o tema “O Brasil que estamos construindo juntos”. Recebido pelo presidente da entidade, Paulo Afonso Pereira, relatou as ações do governo até o momento e projetou os próximos passos da gestão de Jair Bolsonaro.

Mesmo com o descarte da volta de uma nova versão da Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF), que resultou na demissão do então secretário da Receita Federal, Marcos Cintra, o ministro da Economia, Paulo Guedes defendeu o imposto. Lorenzoni rechaça, mas nega uma disputa interna. “CPMF não existe. Muito provavelmente o que ocorrerá será um conjunto de soluções para impostos federais. O problema é que as propostas da Câmara e do Senado é que mexem com a vida dos estados, que impedem uma reforma tributária verdadeira”, ponderou. Segundo ele, a falta de unidade dos governadores resultou na PEC paralela da Previdência.

Regime de Recuperação Fiscal

O regime de recuperação fiscal, uma das bandeiras do governador Eduardo Leite, não deverá ser assinado em 2019, explana o ministro. “Para depois da aprovação da Reforma da Previdência e da repactuação do pacto federativo, estudamos um novo processo para dar um desafogo aos estados. Mas está em gestação ainda. Deverá ser no ano que vem”. Lorenzoni acredita que, a partir disso, em até dois anos, os estados terão outro programa para recuperar a capacidade de investimento. “O governador Leite faz um esforço sobre-humano, mas os investimentos são 0,1%, 0,2%. Um estado como o RS foi amordaçado por essa dívida antiga”, contou o ministro, que discorda da privatização do Banrisul como solução ao Estado.

Uma das preocupações do governo, segundo o ministro, é desfazer a imagem arranhada do Brasil no exterior, após as queimadas na Amazônia. “Fico triste em saber que diplomatas estejam difamando a nação lá fora. Enfrentamos um antagonismo muito forte. Causamos um estrago muito forte na esquerda do Brasil e da América Latina. Vamos continuar isso”, afirmou, que citou os motivos para a propagação de “mentiras que precisam ser desfeitas”. “O presidente não baixou a cabeça para lideranças europeias e cortou o dinheiro de ongs (organizações não-governamentais). A gritaria não dura mais que 18 horas. Acabou a propina”, exclamou.

Lorenzoni comentou sobre o discurso de Bolsonaro na Assembleia Geral da ONU, na semana que vem. “O presidente vai acentuar nossa posição sobre a soberania nacional e os cuidados com a Amazônia. Somos o único país que lançou o mais audacioso programa de recuperação de bacia hídrica do planeta foi o Brasil, no Araguaia”. Além da fala em Nova York, o governo planeja outras ações para desconstruir a repercussão negativa dos incêndios na floresta amazônica. “Faremos coletivas, em outros idiomas inclusive, com o (ministro do Meio Ambiente Ricardo) Salles e a (ministra da Agricultura) Tereza Cristina. Os europeus desinformados nos atacam, mas nenhum país pode nos dar lição sobre Meio Ambiente”, adiantou o ministro.

Ao final do encontro, ao receber um quadro com a foto da sede da ACPA, fez uma sugestão aos futuros candidatos a prefeito de Porto Alegre para a eleição do ano que vem. “Por favor, tirem os ônibus do Centro Histórico e realoquem na nova Rodoviária. Deixaria o entorno do Mercado Público e do Palácio do Comércio ainda mais bonito e sem este trânsito”, opinou.


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895