Parlamentares "escolheram bons candidatos" para o Congresso, diz Bolsonaro

Parlamentares "escolheram bons candidatos" para o Congresso, diz Bolsonaro

Presidente afirmou que terá que definir partido para eleição de 2022 até março

AE

Presidente afirmou que tudo ia "dar certo", em referência à vitória de Lira e Pacheco

publicidade

Após a vitória de seus candidatos na Câmara dos Deputados e no Senado nos pleitos dessa segunda-feira, o presidente Jair Bolsonaro, ao ser perguntado por um apoiador na saída do Palácio do Planalto sobre o resultado das eleições, limitou a comentar que "no seu entender", os parlamentares de ambas as Casas "escolheram bons candidatos". "Eu fiquei na torcida", afirmou. 

Na segunda-feira, foram eleitos para presidente da Câmara o deputado federal Arthur Lira (PP-AL) e, para a presidência do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), ambos apoiados pelo Planalto. A vitória, no entanto, causou protestos nas redes sociais de parlamentares afirmando que houve compra de votos. Como revelou o Estadão, o governo liberou mais R$ 3 bilhões para 250 deputados e 35 senadores aplicarem em obras em seus redutos eleitorais. O dinheiro saiu do Ministério do Desenvolvimento Regional. Ar

Durante a corrida para a presidência das Casas, Bolsonaro atuou particularmente pela vitória de Lira contra o candidato de Rodrigo Maia (DEM-RJ), Baleia Rossi (MDB-SP). O presidente chegou a cobrar apoio de parlamentares da bancada ruralista a Lira, justificando que o agronegócio "nunca teve um tratamento tão justo e honesto" quanto em seu governo. 

Veja Também

Eleições 2022

Bolsonaro voltou a afirmar que "dificilmente" irá conseguir formar um partido para as próximas eleições, em 2022, e que em março terá que decidir o que fazer. Ele disse ainda que uma das possibilidades é escolher outra legenda para abrigar seu nome. Apesar disso, o presidente ainda não desistiu da criação de sua sigla. "Vamos continuar fazendo", disse nesta terça-feira. 

Nessa segunda-feira, o presidente sinalizou a apoiadores que estaria tendo adversidades para formar seu partido por causa de "problemas burocráticos", mas que nesta terça-feira, após as eleições no Congresso Nacional, já iria retomar a discussão sobre o assunto. 

Em outro momento da conversa, Bolsonaro repetiu que até março buscará um novo partido, mas não abandonou o projeto do Aliança pelo Brasil, que ainda não obteve a quantidade de assinaturas necessárias para impulsionar a criação da sigla. Diante da imprevisibilidade, partidos como Progressistas, PSL, Republicanos, PTB, Patriota e PL já acenaram interesse no nome do presidente. 

Bolsonaro está sem partido desde novembro de 2019, após se desvincular do PSL em meio a uma série de desentendimentos entre ele e o presidente da sigla, Luciano Bivar (PE).


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895