Presidente do TSE: desinformação é “vírus” a se evitar nas eleições

Presidente do TSE: desinformação é “vírus” a se evitar nas eleições

Na véspera do início da campanha eleitoral, Barroso alertou que notícias falsas podem comprometer a democracia

AE

Barroso fez pronunciamento na véspera do início da campanha eleitoral

publicidade

Na véspera do início da campanha eleitoral, o presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Luís Roberto Barroso, pediu aos 148 milhões eleitores brasileiros cuidados para evitar a contaminação por Covid-19 e disse que existe um "outro vírus que ronda as eleições". "Trata-se das notícias falsas, das campanhas de desinformação e de difamação", disse Barroso, em pronunciamento transmitido na rede nacional de televisão e rádio na noite deste sábado.

Segundo Barroso, o "vírus" das fake news é "capaz de comprometer, não a saúde pública, mas a própria democracia". "Uma causa que precise de mentiras, de ódio ou de agressões não pode ser boa. Pense nisso. Não faça aos outros o que não gostaria que fizessem com você. O mal faz mal mesmo é a quem o pratica", disse o ministro, que também integra o Supremo Tribunal Federal (STF).

O presidente do TSE reforçou a importância dos cuidados com a saúde nos dias de votação - 15 de novembro, em todo o País, e 29 de novembro nas cidades em que houver segundo turno. "Sempre que possível lave as mãos ou utilize álcool gel após ter contato com alguém ou com algum objeto", disse.

"A principal forma de transmissão da doença ocorre quando uma pessoa fala ou respira próxima da outra. Por essa razão, as recomendações mais importantes são: evitar aglomerações, manter distância mínima de um metro das outras pessoas e sempre utilizar máscara", acrescentou.

Barroso também defendeu evitar a distribuição de material impresso e recomendou que as reuniões sejam feitas em lugares abertos.

Em tempos de polarização, o ministro disse que é necessário fazer uma campanha com debate público de qualidade, mas sem deixar de lado o respeito e consideração pelas pessoas e por suas ideias. "Mesmo que diferentes das nossas." 

 


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895