Analista projeta aumento de até 7% no preço médio do leite em 2018

Analista projeta aumento de até 7% no preço médio do leite em 2018

Especialistas recomendam mais esforço para melhoria da produtividade do rebanho

Estimativa desagrada produtores, já que queda de renda no setor foi de quase 20% no ano passado

publicidade

Nem tão bons quanto em 2016, nem tão ruins quanto em 2017. Os preços do litro de leite para 2018 devem registrar uma recuperação de 5% a 7% na média do ano. Esta é a projeção do agrônomo e CEO da AgriPoint, empresa de Piracicaba (SP) especialista em informação para o agronegócio, Marcelo de Carvalho, que palestrou nesta quarta-feira no 14º Fórum Estadual do Leite, na Expodireto Cotrijal. O primeiro semestre, segundo ele, terá crescimento de preço, por conta do aumento do consumo de lácteos pelos brasileiros, produção interna menor na comparação com o início do ano passado e importações reduzidas, graças aos preços internos baixos. “Todos os fatores que causaram cenário de crise em 2017 estão diminuindo”, analisou Carvalho.

Para o segundo semestre, Carvalho diz que é mais difícil fazer uma projeção, já que, historicamente, há elevação da oferta de leite. “Mas, se o consumo estiver indo bem, podemos ter uma aterrizagem suave nos preços, no segundo semestre”, estima. A projeção, no entanto, é “frustrante” na opinião do secretário-geral da Fetag/RS, Pedrinho Signori. “A estimativa de recuperação é muito baixa perto da queda da renda de quase 20% que o produtor de leite teve no ano passado”, disse Signori.

Na análise do consultor técnico em bovinocultura de leite em São Paulo, Renato Nogueira, antes de pensar em preço, o produtor tem que almejar a melhoria de produtividade de suas vacas. “O preço não determina resultado financeiro”, avisou. Nogueira defende que, independentemente do sistema de produção que o produtor irá optar – confinamento ou a pasto – ele deve buscar apoiar-se em assistência técnica e pensar no conforto dos animais para produzir mais.

“O produtor tem que fazer o básico, o simples, mas bem feito, prestando atenção nos detalhes”, recomendou. Durante o fórum, dois produtores – Augusto Hoffstaedter e Valdir Jacoby – relataram experiências em confinamento e em pastagens. Ambos conseguiram uma média diária de 34 litros por vaca em 2017 e, apesar da crise, obtiveram margem líquida de lucro de 19,1% e de 36%, respectivamente.

O pesquisador e consultor agropecuário, Wagner Beskow, alertou os produtores que grande parte da eficiência está ligada à dieta do plantel. Para ele, mais do que priorizar melhoria genética e sanidade animal, o produtor precisa oferecer ao rebanho alimento de qualidade, corrigir possíveis falhas no manejo no pastoreio, adubar bem suas pastagens, ter boa disponibilidade de água para os animais.

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895