Bombeiros marcam Dia do Guarda-Vidas de forma virtual

Bombeiros marcam Dia do Guarda-Vidas de forma virtual

Em virtude da pandemia, não ocorreram as tradicionais provas no mar

Christian Bueller

Atualmente, são mais de mil profissionais distribuídos em 242 guaritas em todo o litoral

publicidade

Em virtude da pandemia, não ocorreram as tradicionais provas em homenagem ao Dia Nacional do Guarda-Vidas, que uniam servidores que trabalham no litoral Sul e Norte. O comando do Corpo de Bombeiros do RS (CBMRS), no entanto, não deixou o dia em branco, enviando flyers às unidades com mensagem de reconhecimento da Corporação. "Falar do perigo não é figura de linguagem – ele é real. A vida de outras pessoas dependem do sacrifício deste profissional. Da abnegação em treinar, manter-se em condições de enfrentar águas perigosas, verdadeiros obstáculos que dificultam o salvamento", diz um trecho.

Segundo o chefe de operações do CBMRS, major Isandré Antunes, essa data é especial, por marca a importância de homens e mulheres que colocam suas vidas em risco para salvar outras. "Torcemos para que as pessoas compreendam o que é esta atividade, oferecida pelo Corpo de Bombeiros em todo o Estado".

Atualmente, são mais de mil profissionais distribuídos em 242 guaritas em todo o litoral (212 Litoral Norte e 30 litoral sul), além de 50 postos de salvamento nas águas internas). "Esperamos que os banhistas respeitem as normas preventivas e seus próprios limites para que possam voltar às suas casas após o veraneio, com suas famílias íntegras e com saúde", completou o major. O Corpo de Bombeiros Militar conta ainda com 15 quadriciclos e 14 motos-aquáticas para ampliar o atendimento.

Com 18 anos de trajetória em Operações Verão - Golfinho, como era chamado anteriormente -, o sargento Gabriel Chaves diz já ter salvado mais de 500 pessoas das águas salgadas do litoral gaúcho. "Eu e outro sargento fizemos 21 salvamento em um mesmo dia", lembra. Alguns são marcantes, a ponto de marejar os olhos do guarda-vidas. "Uma vez, em uma baixa temporada, identifiquei três pessoas indo para o fundo. Havia mais um saiu sozinho e tiramos os outros do mar. Um foi bem difícil de carregar no colo e fazer as compressões cardíacas. Conseguimos levar até o hospital e ele conseguiu sobreviver", se emociona. Para Chaves, salvar uma vida é "salvar a família inteira".


Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895