Contato com água-viva exige cuidados nas praias do RS
capa

Contato com água-viva exige cuidados nas praias do RS

Ao atingir a pele, os seres podem causar alergias e sérias queimaduras

Por
Correio do Povo

Contato com água-viva exige cuidados nas praias do RS

publicidade

As praias do Rio Grande do Sul têm recebido uma grande demanda de banhistas que vêm aproveitar a beira-mar. No entanto, em função da corrente fraca e da temperatura alta da água, o mar no verão 2019 foi invadido pelas águas-vivas, o que requer cuidado e atenção, pois o contato com elas pode causar alergias e sérias queimaduras.

“Ao entrar em contato com a pele, as águas-vivas liberam uma substância urticante, que é a responsável pela sensação de queimadura. É um mecanismo de defesa da espécie. Após o choque, é preciso lavar o local com água salgada, pois a doce faz com que os tentáculos liberem mais veneno. Outra alternativa é o vinagre, que também auxilia na limpeza do local afetado”, explica a médica Vanessa Maria Mendes Martins Pinto.

Como as mães d'água estão em seu habitat natural, a única forma de se prevenir é evitar o contato e se informar sobre a presença delas na região. Quando os sintomas aparecem com mais gravidade, o recomendado é buscar um atendimento de emergência.

De acordo com Vanessa, se, mesmo após as primeiras medidas, surgirem bolhas ou sensação de vertigem, se o indivíduo apresentar dificuldade para respirar, suor excessivo ou dores de cabeça, é necessário procurar um hospital para identificar e interromper esses sintomas. Conforme a médica, também é preciso, nos dias que sucederem o ocorrido, evitar a exposição ao sol, não esfregar e nem coçar a região afetada.