Plataforma de Atlântida é parada obrigatória para quem gosta de pescar

Plataforma de Atlântida é parada obrigatória para quem gosta de pescar

Com a pandemia, apenas 80 pessoas podem usar o local para a pesca e para o lazer

Sidney de Jesus

Advogado João Almeida, de 59 anos, vibrou com a possibilidade de retornar pela segunda vez na Plataforma para pescar

publicidade

Quem gosta de pescaria e vai para o Litoral Norte na temporada de Verão tem uma parada obrigatória: a Plataforma de Atlântida que se estende por 300 metros dentro do mar. O local, considerado um dos cartões postais da praia de Atlântida, reúne há 50 anos pescadores profissionais, amadores e iniciantes, que amam passar horas com uma vara de pescar para capturar o próprio alimento.

Mesmo com a pandemia do Coronavírus, a plataforma recebe ainda muitos pescadores, principalmente nos finais de semana, que têm o local como ponto de encontro de lazer e passatempo preferido. Por ser um espaço tradicional de pesca, a plataforma se mantém com associados que contribuem com R$ 200 para manter a estrutura, que tem suporte para varas, churrasqueira, local para limpar peixe e lancheria. 

No entanto, qualquer pessoa pode visitar o local mediante o pagamento de R$ 8. Para criança de até 10 anos, acompanhada por um responsável, a entrada é livre. Já o ingresso para poder pescar no local por uma hora, custa R$ 10.

De acordo com o administrador da Plataforma de Atlântida, Marcio Ribeiro, 40 anos, que há 11 trabalha no local, atualmente a plataforma comporta cerca de 80 pescadores devido a pandemia. Ele destaca, porém, que o fluxo de visitas é intenso.

"Antes da pandemia recebíamos 300 pescadores”, lembrou Marcio, que ressaltou que muitas pessoas vêm a plataforma para apreciar a vista privilegiada do mar e observar a pescaria.

Aproveitando o recesso do Judiciário, o advogado João Almeida, 59 anos, morador de São Leopoldo, exibia orgulhoso a sua vara de pescar na Plataforma de Atlântida. "Desde criança sempre gostei de pescar. Esta é a segunda vez que venho aqui. A pescaria, além de lazer é uma forma de desopilar. A maioria dos peixes que capturo são para consumo. Hoje já vou levá-los limpos para casa", afirmou o advogado, ao pescar papa terras.

"Estar aqui é muito bom. Sempre que posso venho. A pesca para mim é um hobby e um passatempo de 30 anos. Os peixes que eu pego geralmente devolvo para o mar", revelou o gerente de Operações, Ricardo Junior, 44 anos, morador de Novo Hamburgo, que passa uns dias em Atlântida.

Veja Também


publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895