Porto privado em Torres tem projeto em andamento, diz Heinze
capa

Porto privado em Torres tem projeto em andamento, diz Heinze

De acordo com senador eleito, ideia é que o empreendimento seja erguido no limite com Arroio do Sal

Por
Correio do Povo

Projeto foi apresentado a Heinze no ano passado

publicidade

A ideia da construção de um porto privado em Torres, no Litoral Norte, aos poucos, ganha forma. A sugestão foi apresentada ao senador eleito Luis Carlos Heinze (PP) pelo engenheiro civil Fernando Carrion, que é ex-deputado federal, e começou a ser discutida no ano passado. O assunto ainda não é de conhecimento de toda a população, tanto que algumas pessoas, ao serem questionadas sobre o assunto, não apresentaram opinião definida e desconhecem a iniciativa.

Conforme Heinze, a ideia é que o porto seja erguido no limite com Arroio do Sal, na praia de Paraíso. “Pensamos em um modelo como o de Itapoá, que está localizado em Santa Catarina, estado com cinco portos. Aqui temos apenas um”, cita. “Nós montamos uma comitiva e fizemos uma visitação. Conhecemos e constatamos que ele é extremamente viável”, afirma.

Carrion acrescenta que o estado vizinho tem 400 quilômetros de litoral e um empreendimento a cada 80 quilômetros. “Nós temos 620 quilômetros e um porto só. É um absurdo. No passado foi um erro brutal o que o Rio Grande do Sul fez contra a sua economia. Desde a época de Dom Pedro II a intenção era que fosse no Litoral Norte. O Porto de Rio Grande era para ter sido em Torres. Só não foi porque havia força política em um dos lados e no outro não”, destaca.

• Fazenda à beira-mar é opção de lazer para veranistas em Mariluz

O engenheiro frisa que a proposta foi entregue para o presidente Jair Bolsonaro e também para o vice, general Antônio Hamilton Mourão. “Ele vai ser construído. A ideia é projetarmos esse ano e iniciar assim que for aprovado. É importante salientar que será todo ele com capital privado.”

“Os condicionantes para o empreendimento é de que ele não danifique os balneários consolidados, nem áreas de preservação ambiental. “Pensaremos na logística desse futuro terminal, colocando-o em acesso facilitado”, acrescentou

De acordo com Heinze, haverá geração de emprego, retorno fiscal para o município e capacidade de importação e exportação. Outro ponto observado é que lá também poderão passar os cruzeiros, que navegam pela costa brasileira e roteiros internacionais. “Inúmeras oportunidades virão. O porto poderá trabalhar com tudo, desde a soja até o frango. Precisamos ter um Estado com mais infraestrutura.”

Heinze explica que, na Serra, o acesso pela Rota do Sol encurtaria caminhos. “Não é um sonho, é uma realidade. Já conversei com o ministro da Infraestrutura e vou, na semana que vem, entrar em contato com a Marinha para termos acesso aos melhores locais do espaço, porque até agora estamos trabalhando com dados do Google”, detalha.