Mindfulness beneficia médicos e pacientes

Mindfulness beneficia médicos e pacientes

Prática foi apresentada pelo médico Leandro Timm Pizutti no ciclo de palestras da Unimed Porto Alegre

Correio do Povo

O mindfulness foi integrado na área da saúde pelo médico Jon Kabat-Zinn

publicidade

O Unimed Conhecimento, ciclo de palestras voltado aos cooperados e promovido pela Unimed Porto Alegre, teve mais uma edição na noite da última quinta-feira (22). O tema da vez foi mindfulness e seus benefícios para médicos e pacientes, e foi abordado pelo médico Doutor em Psiquiatria e Ciências do Comportamento, Leandro Timm Pizutti. 


O tema, que vem sendo pauta frequente na mídia nos últimos anos, ganhou espaço entre a área médica por ter seus benefícios comprovados cientificamente. “O mindfulness é um estado mental no qual estamos com a mente flexível, ativamente engajados no presente, mas que possibilita a percepção de coisas novas e sensíveis ao contexto”, afirma Leandro. A prática de mindfulness, segundo o médico, ainda é muito confundida com a questão do budismo. “A grande maioria não quer virar budista. As pessoas querem cuidar da saúde.”


O mindfulness foi integrado na área da saúde pelo médico Jon Kabat-Zinn, que realizou estudos e criou um programa que utiliza a prática para reduzir o estresse e a dor crônica. “Quando falamos de mindfulness, falamos de estado mental, de traço psicológico e das práticas”, explica Leandro. De acordo com o psiquiatra, o mindfulness se aprende para que seja praticado de forma independente. “Ele é um programa de autogestão: as pessoas aprendem as práticas e fazem de forma autônoma.” 


Para explicar como funciona, Leandro mostrou, a partir de uma figura, como deve ser o ciclo de respiração para que os interessados possam começar a praticar. “Deve-se atentar a consciência da respiração. O ciclo é desengajar, redirecionar a atenção do foco, ter a consciência na respiração, devanear, tomar a consciência que a atenção vagou e reiniciar o processo. Parece simples, mas é bem difícil”, enfatizou. Ainda segundo o médico, durante a prática várias áreas do cérebro funcionam de forma conjunta. “Áreas como a da emoção e pré-frontais são ativadas com o mindfulness.”


Quando a prática do mindfulness é voltada para os profissionais da área médica, Leandro explica que há uma série de benefícios. “Entre eles a redução de sintomas de burnout, comunicação mais efetiva entre profissionais e pacientes (aumento de empatia), e melhores resultados clínicos”, ressaltou. Para o médico, as pessoas vivem em um mundo onde todas as tarefas são realizadas em piloto automático “Viver assim tem seus riscos. Tudo aquilo que pratico torna-se um traço psicológico. Com a prática do mindfulness, tenho consciência dos meus pensamentos e posso escolher os caminhos dos mesmos”, ressaltou. 


O psiquiatra ainda explicou sobre as limitações da mente e como se deve fazer para que o cérebro desengaje e consiga entrar em estado de concentração. “É importante que seja feito como um convite. Não conseguimos desengajar tentando expulsar. Precisamos convidar nossa mente a isso”, explicou. Por fim, convidou os participantes para a prática breve do mindfulness e o compartilhamento da experiência após o momento.


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895