Após protestos de Hamilton, Fórmula 1 lança campanha para promover a diversidade
capa

Após protestos de Hamilton, Fórmula 1 lança campanha para promover a diversidade

Programa chamado "We Race as One" surge após hexacampeão mundial participar de manifestação antirracista em Londres

Por
AE

Hamilton participou de protesto antirracista em Londres no fim de semana


publicidade

A Fórmula 1 lançou nesta segunda-feira uma campanha para combater o racismo e promover a diversidade na categoria. O programa será chamado de "We Race as One" (Nós corremos como um, em português) e foi lançado um dia depois do hexacampeão mundial Lewis Hamilton participar de um protesto antirracismo em Londres. O mesmo piloto, aliás, tinha anteriormente criado uma comissão para aumentar a diversidade na modalidade.

Como parte desse novo projeto, a Fórmula 1 terá na primeira corrida da temporada, em 5 de julho, na Áustria, a colocação nos carros de um adesivo com as cores do arco-íris, como forma de combater a homofobia. O símbolo foi o escolhido pela F-1 por simbolizar, segundo a categoria, uma maneira de aproximar diferente comunidades.

"Em nossa primeira corrida na Áustria, a Fórmula 1 se unirá para dizer alto e claro que o racismo deve acabar. Mostraremos nosso total apoio na luta contra a desigualdade durante o fim de semana e aceleraremos nossos próprios esforços para tornar a Fórmula 1 mais diversificada e inclusiva", afirmou o chefe da categoria, o norte-americano Chase Carey. "Como um esporte global, devemos representar a diversidade e as preocupações sociais de nossos fãs, mas também precisamos ouvir mais e entender o que precisa ser feito e seguir em frente", completou.

Em comunicado, a categoria avisou que planeja ouvir diversas opiniões de pilotos até dirigentes e torcedores para colher sugestões sobre possíveis ações que podem ser tomadas para a Fórmula 1 melhorar. Os dirigentes prometem se empenhar em melhorar não só a diversidade, como também ampliar as oportunidades para os candidatos a entrarem na categoria.


A Fórmula 1 ainda divulgou nas redes sociais um agradecimento aos fãs pelo apoio durante a pandemia do novo coronavírus e prometeu anunciar novas ações em breve. A Federação Internacional de Automobilismo (FIA) também se incorporou ao movimento. "A FIA é guiada pelos Princípios Fundamentais de seus Estatutos, incluindo a luta contra qualquer forma de discriminação e principalmente por causa da cor da pele, sexo, religião, origem étnica ou social. Devemos promover a diversidade no esporte a motor", disse o presidente entidade, o francês Jean Todt.