Brasil registra deflação em junho e vê panorama para queda dos juros

Brasil registra deflação em junho e vê panorama para queda dos juros

Taxa acumulada nos últimos 12 meses pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) recuou de 3,94%, até maio, para 3,16%

AE

Fachada do Banco Central do Brasil

publicidade

Puxada por carros, combustíveis e alimentos, a economia brasileira registrou deflação de 0,08% em junho, o maior recuo para o mês desde 2017, de acordo com os dados divulgados pelo IBGE nesta terça-feira. Com o resultado, a taxa acumulada nos últimos 12 meses pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) recuou de 3,94%, até maio, para 3,16% - abaixo, portanto, da meta fixada para o ano, de 3,25%.

O resultado do IPCA de junho reforçou a expectativa de analistas do mercado de que o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central deve iniciar a redução da Selic já na reunião marcada para o início de agosto. As projeções até aqui apontam para um corte de 0,25 ponto porcentual, o que derrubaria a taxa básica de juros dos atuais 13,75% para 13,5%.

Também fez aumentar as pressões do governo sobre o presidente do BC, Roberto Campos Neto. O ministro da Fazenda, Fernando Haddad, afirmou que o resultado "era esperado" e que aguarda "mais boas notícias" em agosto, referindo-se à reunião do Copom. "O Brasil está na melhor situação possível, temos tudo para começar um novo ciclo de desenvolvimento, e espero que tenhamos mais boas notícias a partir de agosto", disse o ministro.

Em sua live semanal, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse que, além de "teimoso", o presidente do BC é "tinhoso". Desde agosto de 2022, a Selic está estacionada em 13,75% ao ano, e foi só na ata de sua última reunião, de junho, que o Copom sinalizou a possibilidade de redução dos juros.

Ajuda

O governo teve influência direta no resultado do IPCA de junho. Com o lançamento do pacote de descontos para veículos de até R$ 120 mil, o preço do carro novo recuou 2,76%, sendo o item de maior contribuição negativa no IPCA de junho. Isso impactou ainda os preços dos automóveis usados, que caíram 0,93% no mês.

Noutra ponta, a ajuda veio dos cortes nos preços dos combustíveis nas refinarias promovidos pela Petrobras: em junho, houve quedas no óleo diesel (-6,68%), etanol (-5,11%), gás veicular (-2,77%) e gasolina (-1,14%).

Os alimentos foram outro grupo de produtos com queda de preços em junho, graças à safra recorde de grãos, à queda nas cotações internacionais de alguns produtos e à redução de custos na produção de itens de origem animal.

Inflexão

A valorização do real frente ao dólar pesou a favor dos preços de bens industriais que usam insumos importados e de alguns alimentos cotados em dólar. "A queda em alguns itens eletrônicos e eletrodomésticos pode ter algum tipo de relação, sim (com a desvalorização do dólar)", disse André Almeida, analista do Sistema Nacional de Índices de Preços do IBGE.

O "real mais forte" também foi citado pelo diretor de pesquisas macroeconômicas do Goldman Sachs, Alberto Ramos, como um dos fatores que devem "sustentar uma inflexão da política monetária na reunião (do Copom) em agosto".

A isso, somam-se "os preços das commodities contidos, os preços dos alimentos mais baixos, a deflação dos preços no atacado, a melhora das expectativas de inflação e a baixa moderada da inflação passada", disse Ramos, em relatório.


Empresária da área do turismo mostra como enfrentar a crise do setor no RS

Aidê Stürmer já passou por outros desafios e analisa que a agilidade na tomada de decisão é fundamental

Mais Lidas





Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895