Semana terá divulgação de novas taxas de inflação

Semana terá divulgação de novas taxas de inflação

Desde que a Selic teve o seu primeiro corte em três anos, a expectativa é de mais redução no indicador oficial de preços, o IPCA

Simone Schmidt

Controle relativo dos preços aumenta a expectativa de que não seja mais necessário subir juros

publicidade

Analistas e players do mercado estarão ainda mais atentos aos índices de inflação durante esta semana. Desde que a taxa de juros Selic teve o seu primeiro corte em três anos, caindo de 13,75% para 13,25%, a expectativa é de mais redução no indicador oficial de preços, o IPCA, que deverá ter seu resultado anunciado pelo IBGE nesta terça-feira.

O juro mantido em alta nos últimos três anos era justificado pelo Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central como uma necessidade para segurar a inflação. Com desacelerações apontadas pelo levantamento de preços ao longo dos meses, o Copom definiu que poderia fazer mais reduções na Selic, prevendo os cortes inclusive em ata de reunião, possivelmente meio ponto a cada novo encontro.

A decisão estaria apoiada no fato de que até o momento o IPCA de janeiro a julho deste ano acumula 2,99%. Neste mesmo período de sete meses, no ano passado, o resultado era maior e chegava a 4,77%. A expectativa dos especialistas agora está voltada para a taxa de janeiro a agosto a ser divulgada nesta terça.

Em 2022, o intervalo dos primeiros oito meses era de 4,39%. Com os preços sob relativo controle, a expectativa é que não seja mais necessário subir juros. Quando a inflação tomava corpo no mundo todo, até o ano passado, para conseguir fazer uma espécie de "barreira" na alta de preços o Banco Central mantinha o nível da Selic em alta para poder ampliar o "custo do dinheiro", ou seja, ficava mais caro tomar empréstimos, fazer financiamentos, e esse movimento forçava as pessoas a consumir menos e a baixar a procura por produtos de todo o tipo, consequentemente enfraquecendo a inflação e desacelerando preços. 

A chamada "prévia" da inflação, o IPCA-15, também traz pistas. O indicador relativo a agosto, igualmente apurado pelo IBGE, apontou 3,38%, mas mostra apenas o período dos 15 primeiros dias do mês. Quanto às previsões dos analistas do mercado financeiro, o cálculo feito para o final deste ano, divulgado pelo Boletim Focus do Banco Central na última semana, trazia estimativa de 4,92% ante uma análise anterior de 4,90%. E antes destas duas leituras a expectativa era de 4,84%.

Recentemente o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, em declarações à imprensa, lembrou que o aperto monetário nos Estados Unidos fez pressão sobre os mercados emergentes e, ainda, a desaceleração na atividade econômica e no comércio exterior da China também trouxe preocupações aos investidores de todo o mundo. Principalmente por esses motivos, Campos Neto afirma que a batalha contra a escalada dos preços não está ganha.

"A China enfrenta uma variedade de desafios mundiais de curto e longo prazo, desafios econômicos que monitoramos cuidadosamente", assinalou Janet Yellen em Nova Delí, na Índia, durante a cúpula do G20. Ela lembrou que ainda persistem temores de que a desaceleração da atividade no país asiático, o risco de recessão na Europa e a inflação elevada em países desenvolvidos e em desenvolvimento provoquem queda na demanda por produtos chineses, o que também poderia afetar negativamente a economia do mundo todo.

Além do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), que será divulgado terça, na mesma data sairá o resultado também de outro indicador, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), que mede a inflação para famílias com ganho de até cinco salários mínimos por mês, ou seja, até R$ 6,6 mil. Este segundo indicador também é importante porque retrata os preços em um universo que engloba a maioria dos assalariados da população brasileira, usado ainda na maior parte das negociações de acordos coletivos salariais entre empregadores e empregados.


Azeite gaúcho conquista prêmio internacional

Produzido na Fazenda Serra dos Tapes, de Canguçu, Potenza Frutado venceu em primeiro lugar na categoria “Best International EVOO” do Guía ESAO

Mais Lidas





Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895